Bélgica confrontada com vaga de migrantes

(euronews.com)
(euronews.com)

A noite foi passada em branco, para muitos dos cerca de 400 migrantes que se amontoavam, assim que o sol começou a nascer esta quarta-feira, em frente ao
Gabinete de Imigração de Bruxelas.

É por aqui que os requerentes de asilo devem passar quando chegam à Bélgica,para efetuar o registo. Visivelmente exauridos, muitos fazem contas à vida e não escondem alguma deceção com a receção no velho continente.

O Gabinete de Imigração depara-se, desde o mês passado, com uma enchente de migrantes que chegou à Bélgica, e denota algumas dificuldades de resposta aos inúmeros pedidos apresentados.

Loïc Verheyen, euronews: “Excecionalmente, o Gabinete de Imigração criou duas filas de espera. De um lado estão aqueles que já se encontravam aqui ontem. Receberam este papel, que lhes dá prioridade para submeterem esta quarta-feira os documentos necessários. Do outro lado, encontram-se os migrantes que acabam de chegar. Terão de aguardar na rua, possivelmente até amanhã.”

Os migrantes vêm maioritariamente de países como a Síria, Iraque, Afeganistão, Somália e Eritreia. Chegam ao Espaço Schengen através de três portas principais de entrada: Grécia (através da Turquia), Itália (a partir do Mar Mediterrâneo) e Hungria (através do Balcãs).

A Convenção de Dublin prevê o registo dos migrantes nos países de entrada, o que merece críticas de várias Organizações não governamentais (ONG) e de juristas.

“Percebemos que a maior parte dos migrantes e requerentes de asilo, ao tentar alcançar um país em concreto, tentam sobretudo juntar-se à família e amigos. No entanto, atualmente vemos que este aspeto não é tomado em consideração”, sublinha Tristan Wibault, advogado especializado em direitos humanos e membro da Liga dos Direitos Humanos na Bélgica.

Só este ano, já chegaram à Europa 340 mil migrantes, comprando com os 280 mil de todo o ano passado.

No início de outubro está prevista a realização de um conselho de ministros da União Europeia para debater esta questão, mas até lá os migrantes não deverão parar de chegar. (euronews.com)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »