Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Situação da biodiversidade tida como razoável

Nascimento António, Chefe Departamento de Biodiversidade do Ministério do Ambiente (Foto: Rosário dos Santos)
Nascimento António, Chefe Departamento de Biodiversidade do Ministério do Ambiente (Foto: Rosário dos Santos)

A situação da diversidade biológica em Angola foi hoje (sexta-feira), em Luanda, considerada razoável, a julgar pela existência de animais de grande, médio e pequeno porte em plena recuperação, apesar de outros como búfalo, hiena e leão, estarem em vias de extinção.

“Os estudos em tornos da biodiversidade em Angola ainda não estão acabados, continuamos a notar a recuperação de muitas espécies e o perigo de desaparecimento de outras”, avançou o chefe departamento da Biodiversidade do Ministério do Ambiente, Nascimento António.

Falando à Angop à margem do seminário dirigido aos efectivos das Forças Armadas Angolanas e civis, realizado no âmbito do 22 de Maio, Dia Mundial da Biodiversidade, Nascimento António referiu que elefantes, hipopótamos, crocodilos e girafas são as únicas espécies que não se encontram na lista vermelha.

Segundo a fonte, isso de acordo com o relatório da biodiversidade 2007/2012, em Angola existem menos de 100 búfalos, menos de 30 chimpanzés, oito famílias de gorilas, 50 e 100 hienas castanha e malhada, respectivamente, menos 100 leopardos, bem 50 leões rinocerontes branco e preto.

O bambi (veado), golungo, pacaça são as espécies mais procuradas pelos caçadores furtivos em Angola.

A desmatação, caça furtiva, derrame de petróleo, degradação dos mangais, espécies invasoras, elevada densidade populacional que sobrevive da agricultura e criação de gado são, segundo a fonte, as principais ameaças à biodiversidade em Angola.

“Em Angola, de acordo com os resultados do Censo de 2014, 50 porcento da população vive no meio rural e as actividades por elas praticadas, desde agricultura, caça e pesca, dependem directamente da biodiversidade”, lembrou o ambientalista.

Para ele, apesar de assistir-se uma certa consciencialização ambiental no seio da comunidade rural, trabalhos de sensibilização devem ser reforçados para a protecção e conservação da biodiversidade angolana.

Angola conta com 11 (onze) áreas de conservação, representando 12,58 por cento do território nacional. (portalangop.co.ao)

Deixe uma comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »