Venezuela: Maduro qualifica decisão dos EUA de agressiva, injusta e nefasta

(Foto de --/PRESIDENCIA VENEZUELA/AFP)
(Foto de –/PRESIDENCIA VENEZUELA/AFP)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou nesta segunda-feira o presidente americano, Barack Obama, de dar um passo “mais agressivo, injusto e nefasto” contra a Venezuela com seu decreto que declara a situação do país sul-americano como “ameaça” à segurança dos Estados Unidos.

“O presidente Barack Obama deu no dia de hoje o passo mais agressivo, injusto e nefasto já visto contra a Venezuela (…). Vocês não têm o direito de nos agredir e declarar a Venezuela uma ameaça ao povo dos Estados Unidos. A ameaça ao povo americano são vocês”, disse Maduro em rede nacional.

Em um discurso de duas horas, Maduro afirmou que a ordem executiva de Obama “é um exagero, uma grosseria que reflecte que nos Estados Unidos há muito desespero e impotência porque não podem entender a realidade revolucionária, bolivariana, socialista e chavista”.

No final da mensagem, Maduro surpreendeu nomeando um dos funcionários sancionados por Washington, general Gustavo González López, actual director de Inteligência, para o cargo de ministro do Interior, Justiça e Paz.

Maduro também informou que o Executivo apresentará à Assembleia Nacional um pedido de poderes especiais para governar por decreto em matéria de segurança nacional diante da “agressão imperialista”.

“Vou solicitar uma lei anti-imperialista para enfrentar qualquer cenário e em todos triunfar com a paz”.

Maduro citou o líder cubano Fidel Castro e o guerrilheiro de origem argentina Ernesto Che Guevara para assinalar que “não se pode confiar nos Estados Unidos”, mas em seguida afirmou que “queremos regularizar nossas relações com Washington sobre a base do absoluto respeito à soberania da Venezuela”.

Obama implementou nesta segunda-feira sanções contra funcionários do governo venezuelano, após qualificar a situação na Venezuela de “ameaça à segurança nacional” dos Estados Unidos.

O presidente americano proibiu a entrada nos Estados Unidos e decretou o congelamento de bens e contas bancárias de sete funcionários e ex-funcionários de organizações policiais, militares e judiciais, inclusive o chefe de inteligência, Gustavo González.

A lista também inclui a promotora Katherine Haringhton e o director da polícia nacional, Manuel Pérez.

“Estamos profundamente preocupados com os esforços do governo da Venezuela de intensificar a intimidação contra seus opositores”, destacou a Casa Branca, ao divulgar a ordem executiva.

Caracas respondeu chamado para consultas seu encarregado de negócios nos Estados Unidos, Maximilien Arveláiz, seu principal representante em Washington. (afp.com)

 

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »