Ler Agora:
Imovias quer voltar a duplicar facturação este ano
Artigo completo 4 minutos de leitura

Imovias quer voltar a duplicar facturação este ano

(D.R.)

(D.R.)

Volume de negócios atingiu 2 milhões Kz em 2014, o dobro de 2013, e este ano deverá ficar entre 3,5 e 4,5 milhões Kz. Carteira de encomendas ascende a 3,5 milhões Kz, com sectores público e petrolífero a dominar.

A Imovias espera duplicar em 2015 o seu volume de negócios, pelo terceiro ano consecutivo, revela o director-geral da empresa angolana de construção civil, que opera também na manutenção e gestão. A aposta em mais províncias, assim como a carteira de encomendas no sector público e indústria petrolífera, explica José Aleluia, serão os motores do crescimento.

Este ano, revela José Aleluia, a Imovias conta já com uma carteira de encomendas de cerca de 3,5 milhões Kz e prevê atingir um volume de negócios entre os 3,5 e os 4,5 milhões Kz, face aos 2 milhões Kz que registou em 2014. Neste ano, a facturação já tinha duplicado, face aos 1.038 Kz milhões facturados em 2013. “A nossa carteira de clientes é constituída maioritariamente pelo sector público e empresas que se dedicam ao sector petrolífero”, explica o gestor, que sublinha que “esse é ainda o panorama económico que se vive no País ao nível dos grande investimentos, mas os últimos tempos fazem prever que o futuro vai cada vez mais trazer uma diversificação para o mercado”.

“No futuro, os sectores considerados prioritários para o desenvolvimento – como a agro-indústria, os cimentos e a siderurgia, as infra-estruturas turísticas, os portos, aeroportos e vias de comunicação – deverão vir a constituir áreas de maior interesse para as construtoras2, adianta José Aleluia. “A médio prazo, os investimentos na educação e formação de quadros técnicos competentes darão também os seus frutos, permitindo que o País possa rentabilizar as suas imensas potencialidades”, adianta.

Em Dezembro passado, a companhia arrancou com a construção do Centro de Formação Profissional do Sector das Águas, em Onga Zanga, no município de Icolo e Bengo, para o Ministério da Energia e Águas. O projecto “vai dinamizar uma das áreas prioritárias para o desenvolvimento estratégico do País”, tendo a primeira pedra sido lançada pelo director nacional das Águas e pelo embaixador da União Europeia – que co-financia a estrutura – em Angola.

A primeira fase da empreitada, orçada em 530 milhões Kz, deverá prolongar-se por 18 meses, englobando uma área de construção de 3.600 m2, correspondente à execução de quatro edifícios destinados a serviços de apoio (bloco A), salas de aula e laboratório (bloco B) e dormitórios (blocos C e D), bem como um edifício de habitação para o director do centro.

Numa segunda fase, revela, está prevista a construção de mais três edifícios de habitação para os professores, jango, campo de jogos e arranjos exteriores, bem como a execução de todas as infra-estruturas inerentes. Para já o projecto conta com o envolvimento de uma equipa de cerca de 120 pessoas, das quais, diz o gestor, 95% são angolanas.

A Imovias está baseada em Luanda, com representação e actuação desde 2008 em Cabinda, Bié, Uíge, Cuanza Norte, Malanje e Benguela, “de acordo com uma estratégia de expansão que assenta acima de tudo nas premissas da qualidade, versatilidade, inovação, segurança e formação constantes”, diz.

De acordo com o director-geral, a Imovias tem planos para avançar para províncias como Cuando Cubango, Cuanza Sul, Huíla, Zaire e Lubango, uma vez que “oferecem actualmente oportunidades de investimento muito interessantes”.

Este ano, a Imovias tem em carteira a construção de um novo estaleiro central, no Bengo, Luanda, “onde serão construídas as futuras e modernas instalações sociais e de apoio ao processo produtivo”.

“Tanto o nosso investimento como o nosso crescimento têm vindo a efectuar-se de forma progressiva e sustentada, ao longo dos últimos anos. O equilíbrio destes dois vectores é fundamental, num mercado tão competitivo como é o da construção”, sublinha José Aleluia.

No total, a companhia, “nos aspectos operacionais”, tem cerca de 275 colaboradores, contando com “um considerável parque de equipamentos de apoio aos projectos”. A formação tem sido, destaca, uma das apostas e mais-valias da empresa.

“As pessoas são o elemento distintivo da Imovias. A empresa encara o recrutamento como um instrumento-chave de crescimento e fortalecimento da sua posição no mercado, procurando sempre atrair os melhores profissionais, promovendo o seu desenvolvimento de carreira, apostando na formação, na segurança e na melhoria dos índices gerais de satisfação”, conclui. (expansao.ao)

Por: David Rodrigues

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »