Ler Agora:
Ex-ministro do Paquistão oferece recompensa pela morte de novo director de Charlie Hebdo
Artigo completo 2 minutos de leitura

Ex-ministro do Paquistão oferece recompensa pela morte de novo director de Charlie Hebdo

Ghulam Ahmad Bilour, ex-ministro paquistanês (direita), oferece recompensa pela cabeça do atual diretor da revista satírica Charlie Hebdo, Laurent Sourisseau, que assina Riss. (na.gov.pk/ wikipédia)

Ghulam Ahmad Bilour, ex-ministro paquistanês (direita), oferece recompensa pela cabeça do atual diretor da revista satírica Charlie Hebdo, Laurent Sourisseau, que assina Riss.
(na.gov.pk/ wikipédia)

O ex-ministro paquistanês Ghulam Ahmad Bilour está oferecendo uma recompensa de US$ 200 mil pela cabeça do novo director do jornal satírico Charlie Hebdo, o cartoonista Laurent Sourisseau, que assina suas charges como Riss. Ele estava na redacção no dia do massacre, levou um tiro no ombro, mas escapou da morte ao se esconder debaixo de uma mesa.

Nem completou um mês que os irmãos Koachi mataram 12 pessoas na redacção de Charlie Hebdo e os sobreviventes do massacre já são alvo de novas ameaças.

O deputado e ex-ministro paquistanês Ghulam Ahmad Bilour, que oferece um prémio pelo assassinato de Riss, é um extremista conhecido em Islamabad, capital do Paquistão. Membro do Partido Nacional Awami (ANP), uma formação ultraconservadora, ele já tinha oferecido US$ 100 mil dólares de recompensa, em 2012, pela morte dos autores do curta-metragem “A Inocência dos Muçulmanos”.

Essa produção independente americana, que caçoava do profeta Maomé e foi divulgada no YouTube, gerou uma onda de protestos em países muçulmanos. Na época, o então ministro declarou que mataria o responsável pelo filme com as próprias mãos, caso alguém o ajudasse a localizá-lo. A ameaça não gerou nenhuma sanção do governo paquistanês.

Desta vez, Bilour prega o assassinato de Riss por causa das novas caricaturas de Maomé publicadas no número histórico do Charlie Hebdo que chegou às bancas após a morte de seus principais caricaturistas. Nos corredores da Assembleia do Paquistão, Bilour disse que “não aceitará novos ataques contra o profeta”. O deputado também falou que daria US$ 100 mil às famílias dos terroristas responsáveis pelos ataques em Paris. E, mais uma vez, não houve nenhuma condenação do governo paquistanês.

Desde a publicação das novas caricaturas de Maomé no Charlie Hebdo, interesses franceses foram alvo de vários ataques no Paquistão.

O próximo número de Charlie Hebdo chega às bancas no dia 25 de Fevereiro. (rfi.fr)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »