Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Chanceler brasileiro nega atrito com Argentina por acordo com China

0
(AFP)
(AFP)

O ministro brasileiro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, descartou que os últimos acordos firmados pela Argentina com a China afetem o Mercosul, em entrevista coletiva concedida nesta quarta-feira, em Buenos Aires.

Vieira chegou na terça à noite a Buenos Aires, sua primeira viagem ao exterior desde que tomou posse, ratificando o peso que Brasília dá a seu principal sócio comercial no bloco sul-americano.

“A relação com a China é aberta e intensa com todos os países da região”, disse Vieira à imprensa, lembrando que o comércio do Brasil com o país asiático chega a US$ 80 bilhões anuais.

O ministro declarou que a relação com a Argentina é “a mais estratégica das alianças” do Brasil.

Viera explicou que essas parcerias estratégicas “não excluem as relações com outros países”, em referência aos acordos de cerca de US$ 21 bilhões fechados na recente viagem da presidente argentina, Cristina Kirchner, a Pequim.

“Todos os acordos com a China são públicos, e nenhum desses acordos é em detrimento da nossa relação no Mercosul. Ao contrário, acreditamos que será em benefício do Mercosul”, insistiu Vieira, que estava acompanhado do chanceler argentino, Héctor Timerman.

O ministro Vieira conversou com vários funcionários de alto escalão do governo argentino, entre eles o ministro da Economia, Axel Kicillof.

Além disso, cerca de 20 empresários brasileiros e argentinos se reuniram com o chanceler brasileiro na sede da embaixada para manifestar sua preocupação com a expansão do capital chinês na região e no país e com a deterioração do Mercosul, entre outros temas, noticiou o jornal “Clarín”.

O comércio bilateral com o Brasil caiu 21,2% em 2014, em relação a 2013, o que representou a segunda maior retração desde 2002 com o principal sócio comercial da Argentina no bloco.

Em termos acumulados, as exportações para o Brasil recuaram 14% no ano passado, a US$ 14,143 bilhões, enquanto as importações se contraíram 27,2%, a US$ 14,284 bilhões. (afp.com)

Deixe uma comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »