Ler Agora:
Catarina Martins: Pensar PS como parte da solução é problema no debate à esquerda
Artigo completo 2 minutos de leitura

Catarina Martins: Pensar PS como parte da solução é problema no debate à esquerda

(Lusa)

(Lusa)

A porta-voz do Bloco de Esquerda disse hoje que, ao contrário da Grécia, da Espanha e da Irlanda, em Portugal existe ainda “um problema no debate à esquerda” que é o de assumir que o PS é parte da solução.

Catarina Martins participou na sexta-feira à noite num debate sobre as “eleições na Grécia: a vitória do Syriza e a esperança na Europa”, no âmbito da iniciativa “Sexta D’Ideias”, promovida pela concelhia do BE de Torres Novas, liderada pela deputada Helena Pinto.

Questionada sobre se em Portugal existe um Syriza, Catarina Martins considerou que a afirmação de uma alternativa à austeridade é penalizada pela não assunção pela esquerda portuguesa de que o PS “é parte do problema” por se ter posicionado “ao lado da Finança e da austeridade”.

“A austeridade não é só filha do Partido Popular Europeu. É também do Partido Socialista Europeu”, afirmou, apontando o exemplo da esperança frustrada pelo presidente francês, François Hollande.

Para a porta-voz do BE, a esquerda tem crescido nos países onde os partidos socialistas são considerados “parte do problema e não da solução”, apontando os exemplos do Syriza na Grécia, do Podemos em Espanha e do Sinn Fein na Irlanda.

Por outro lado, recordou a “lição importante” que representou o apoio da Esquerda Democrática (Dimar) ao Partido Socialista grego (Pasok), acreditando que poderia ajudar a reduzir a austeridade mas que acabou por “puxar a esquerda para a direita” e “não trouxe qualquer ganho”.

Catarina Martins considerou que o que se está a passar na Grécia, com a vitória do Syriza, e em Espanha, com o crescimento do Podemos, “é inspirador” e “clarifica o confronto na Europa”, mas, afirmou, os países “são diferentes” e “cada povo tem o seu percurso”.

Em relação às eleições legislativas de outubro, Catarina Martins defendeu que o partido tem que estar na “luta concreta”, junto das pessoas, para que também em Portugal seja “possível o impossível” que aconteceu na Grécia e em Espanha.

Questionada sobre se a Grécia pode sair do euro, a porta-voz do BE afirmou que essa situação “é tão provável como o euro acabar” e que, a acontecer, poderia pôr em causa a existência da moeda única. (noticiasaominuto.com)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »