Radio Calema
InicioDesportoMundial2014: Brasil humilhado pela Alemanha (vídeo)

Mundial2014: Brasil humilhado pela Alemanha (vídeo)

A Alemanha “esmagou”, esta terça-feira, o anfitrião Brasil por impensáveis 7-1, escrevendo uma das mais memoráveis páginas da história dos Mundiais de futebol, rumo à sua oitava final.

O “onze” de Joachim Löw despedaçou o sonho do “hexa” em 29 minutos fenomenais, em que chegou a 5-0, com um golo de Thomas Müller (11 minutos), o 16.º, recorde, de Miroslav Klose (23), dois de Toni Kroos (25 e 26) e ainda um de Sami Khedira (29).

Na segunda metade, um “bis” de Andre Schürrle (69 e 79 minutos) acentuou a “humilhação” de uns incrédulos “canarinhos”, que só por uma vez em Mundiais havia perdido por três golos. O golo de Óscar (90) soube a menos do que nada.

Depois do “Maracanazo” de 1950, o 1-2 com o Uruguai, há 64 anos, o 7-1 de Belo Horizonte entrará, certamente, para a história como o “Mineirazo” ou algo semelhante.

A Alemanha foi “gigante”, imensa e parte como favorita para a final, seja para a reedição da de 1974, com a Holanda (2-1), ou para as de 1986 (2-3) e 1990 (0-1), com a Argentina, duas seleções que jogam quarta-feira e até devem ter medo de ganhar.

Em relação aos “quartos”, Scolari fez entrar Dante e Bernard para os lugares do castigado Thiago Silva e do lesionado Neymar e regressar Luiz Gustavo, retirando Paulinho, enquanto Löw repetiu o “onze”.

O Brasil foi o primeiro a ameaçar, num remate ao lado de Marcelo e num centro de Hulk, detido por Neuer, mas foi a Alemanha que quase marcou logo aos oito minutos, com Khedira, lançado por Özil, a rematar contra… Kroos.

O golo apareceu pouco depois, aos 11 minutos, com Kroos a marcar um canto na direita e Thomas Müller, deixado só no “coração” da área, a marcar à vontade o seu 10.º golo em Mundiais e quinto na edição de 2014.

A formação “canarinha” não conseguiu reagir e a Alemanha tocou conta do jogo, chegando ao segundo aos 23 minutos, numa jogada de envolvência, com Müller a tabelar com Kroos e a deixar para Klose, que bate Júlio César à segunda.

Não se sabia, mas estava a começar algo de memorável, de impensável. O Brasil “morreu” e a Alemanha a jogar um futebol do “outro mundo”, com passes atrás de passes, sempre certeiros e a grande velocidade.

De repente, aos 25 e 26 minutos, Kroos “bisou”, primeiro após passe de Lahm e depois, logo após a bola ir ao centro, na sequência de uma tabela com Khedira.

O quinto não demorou muito, quase nada. Aos 29 minutos, Hummels arrancou pelo centro do terreno, deixou em esforço em Khedira, que lançou Özil. O médio do Arsenal não quis marcar e preferiu devolveu o passe ao jogador do Real Madrid.

O encontro como que acabou ai, mas ainda faltava uma “eternidade”, sobretudo para o Brasil, que ainda tentou reagir no início da segunda parte, só que o “gigante” Neuer parou as intenções de Ramires, Óscar e Paulinho.

A Alemanha jogava agora com grande calma, enorme descontração e quase não atacava, mas, quando o fazia, ameaçava sempre o sexto, que chegou, aos 69 minutos, obra de Schürrle, servido por Lahm.

O “massacre” não estava, porém, acabado. Uma dezena de minutos depois chegou o sétimo, um “tiraço” de Schürrle, após assistência de Müller, numa jogada iniciada num lançamento lateral.

Até final, os germânicos ainda tiveram uma oportunidade de ouro para chegarem ao oitavo, mas Özil atirou ao lado e, na jogada seguinte, aos 90 minutos, Oscar marcou para o Brasil, um “pesado” golo de honra. (jn.pt)

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.