Radio Calema
InicioMundo LusófonoPortugalNatalidade continua em queda. Menos 700 nascimentos até Junho

Natalidade continua em queda. Menos 700 nascimentos até Junho

(António Pedro Santos)
(António Pedro Santos)

Grupo de trabalho nomeado pelo governo para estudar medidas apresenta relatório este mês

A natalidade em Portugal voltou cair no primeiro semestre. Até Junho nasceram menos 696 crianças, revelou ao i Laura Vilarinho, responsável da Unidade de Rastreio Neonatal, Metabolismo e Genética, que segue a evolução dos nascimentos no país com base na realização do teste do pezinho entre o 3.o e 6.o dia de vida.

Nasceram neste período 39 320 crianças, contra 40 025 no ano passado. A queda é mais ligeira do que a se registou de 2012 para 2013, já que só no primeiro semestre do ano passado nasceram menos 4000 crianças. Mas, se a tendência continuar nos próximos meses, 2014 superará o mínimo de nascimentos registados o ano passado em território nacional – 82 787. Essa é a ilação que Laura Vilarinho sublinha do balanço: “A queda mais expressiva foi o ano passado, o que acontece é que ainda não estamos a aumentar a natalidade no nosso país.”

Este é o quarto ano consecutivo em que os nascimentos estão em queda, depois de uma folga em 2010. A diminuição de nascimentos verifica-se desde 2000. Ainda assim, o problema demográfico só este ano voltou à agenda política com a nomeação por parte do governo de um grupo de trabalho encarregue de propor medidas ao governo.

O grupo, liderado por Joaquim Azevedo, membro do Conselho Nacional de Educação e professor da Universidade Católica do Porto, vai apresentar as propostas ao primeiro-ministro ainda este mês. O professor universitário adiantou ao i que a sessão de divulgação dos resultados ainda não tem data certa mas irá ocorrer entre os dias 14 e 17.

Logo após a nomeação, Joaquim Azevedo apontou economia e educação como duas esferas de intervenção. “A maioria das empresas não é amiga da natalidade”, defendeu. O responsável sublinhou ser essencial essencial “estabilizar” a natalidade, classificando a descida dos últimos anos de “alerta supervermelho.”

Aguardando-se as propostas concretas, do lado do governo já houve uma indicação de que pelo menos uma das intervenções já não terá lugar este ano. O tema da natalidade surge no Documento de Orçamento e Estratégia 2014-2018 como uma das variáveis que segundo o governo irão pesar na reforma do IRS, que tem Setembro como prazo de conclusão. O documento conhecido no final de Abril aponta para um “reforço das políticas fiscais familiares, de forma a contribuir para a inversão do actual défice demográfico na sociedade portuguesa.” (ionline.pt)

por Marta F. Reis

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.