- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola O acordo da UE com Ucrânia, Geórgia e Moldávia em cinco respostas

O acordo da UE com Ucrânia, Geórgia e Moldávia em cinco respostas

(Foto de OLIVIER HOSLET/POOL/AFP)
(Foto de OLIVIER HOSLET/POOL/AFP)

Os líderes da União Europeia (UE) assinaram nesta sexta-feira um acordo de associação (AA) com Ucrânia, Geórgia e Moldávia, três ex-repúblicas soviéticas que querem se aproximar da Europa ocidental, apesar das pressões da Rússia.

P: Por que a UE iniciou este acordo inédito?

R: O AA permite ancorar esses países à UE sem definir uma data próxima de adesão.

Classificado de “inovador e ambicioso” pela Comissão Europeia, que o negocia desde 2007, o AA cria uma ampla cooperação em diversos sectores: energia, justiça, política externa, vistos, cultura… Os países-parte deverão se comprometer a respeitar o Estado de direito e a luta contra a corrupção.

Sua ambição é criar também uma zona de livre comércio com a aplicação de normas comuns.

P: Quais são as consequências económicas previstas?

R: Os três países ganharão acesso privilegiado ao mercado interno da UE, “o maior mercado único do mundo”, com 500 milhões de consumidores. As exportações ucranianas poderiam aumentar cerca de 1 bilhão de euros ao ano, em particular de aço, do sector têxtil e de alimentos, o que elevaria seu crescimento em aproximadamente 1% ao ano, de acordo com um estudo da UE.

Em contrapartida, Kiev, Chisinau e Tblisi deverão empreender profundas reformas que podem ser socialmente e politicamente difíceis.

Para a UE, os benefícios comerciais podem ser interessantes no longo prazo, mas inicialmente custará dinheiro ao bloco, que deve ajudar as três frágeis economias. Somente a Ucrânia receberá 11 bilhões de euros, a maioria em empréstimos bonificados.

No longo prazo a UE “deverá fazer um esforço para ajudar esses países a realizarem dolorosas reformas, entre elas a do sector energético, para que fiquem menos vulneráveis a pressões russas”, afirmou Judy Dempsey, do Instituto Carnegie Europe.

P: Qual será o impacto do AA sobre a Rússia?

R: A prudência prevalece em Bruxelas, onde os especialistas não conseguiram prever que esse AA desencadearia a grave crise ucraniana.

Seis meses depois, a Rússia parece ter se dado conta de que não pode impedir os três países de assinarem o AA.

Entretanto, Moscovo advertiu que tomará “medidas de protecção” se o acordo prejudicar sua economia. Sua principal preocupação é uma invasão de produtos da UE através do território ucraniano.

Apesar de suas reservas, Moscovo aceitou iniciar negociações com Bruxelas e Kiev, a partir de 11 de Julho, sobre as condições de aplicação do AA.

Até agora, a UE “não conseguiu mostrar as vantagens” para a Rússia, advertiu a Chancelaria russa.

P: Os três países continuarão sendo livres para comercializar com a Rússia?

R: Sim, de acordo com os especialistas da UE, que criticam as afirmações de Moscovo sobre o tema.

No entanto, ao assinar o AA, os três países não poderão se unir à União Económica Euro-asiática, que Moscovo tenta montar com seus vizinhos.

Somente dois vizinhos, Belarus e Cazaquistão, fazem parte dessa união, mas não são membros da Organização Mundial do Comércio (OMC).

P: O AA será aplicado em territórios em disputa, como a Crimeia?

R: Não. A UE proibiu formalmente as importações de bens da Crimeia em 23 de Junho, após sua integração à Rússia, considerada ilegal pelos europeus. Somente os produtos da Crimeia autorizados por Kiev poderão entrar na UE.

As empresas da Transnístria, região separatista da Moldávia, e as de Ossétia do Sul e Abkházia, territórios da Geórgia que tiveram sua independência reconhecida pela Rússia, não serão beneficiadas pelas vantagens comerciais ligadas ao AA. (afp.com)

- Publicidade -
- Publicidade -

País em fase de mudanças na Justiça – PGR

A Procuradora-Geral-Adjunta da República, Margarida Gonçalves, destacou, nesta segunda-feira, em Luanda, que o país está numa fase de grandes mudanças a nível da Justiça. A...
- Publicidade -

Bispo e pastores da IURD condenados com pena suspensa

O Tribunal Municipal do Talatona condenou, nesta segunda-feira, um bispo e dois pastores da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), a 45 dias...

Activos recuperados são “tóxicos” para os cofres públicos

Parte significativa dos activos constituídos com fundos públicos que estão a ser recuperados pelo Executivo são considerados tóxicos, segundo especialistas ouvidos pelo Expansão, já...

Melania levará 50 milhões pelo divórcio

Com Donald Trump fora da Casa Branca, a mulher do Presidente está a contar os minutos para acabar com o casamento, que há muito...

Notícias relacionadas

País em fase de mudanças na Justiça – PGR

A Procuradora-Geral-Adjunta da República, Margarida Gonçalves, destacou, nesta segunda-feira, em Luanda, que o país está numa fase de grandes mudanças a nível da Justiça. A...

Bispo e pastores da IURD condenados com pena suspensa

O Tribunal Municipal do Talatona condenou, nesta segunda-feira, um bispo e dois pastores da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), a 45 dias...

Activos recuperados são “tóxicos” para os cofres públicos

Parte significativa dos activos constituídos com fundos públicos que estão a ser recuperados pelo Executivo são considerados tóxicos, segundo especialistas ouvidos pelo Expansão, já...

Melania levará 50 milhões pelo divórcio

Com Donald Trump fora da Casa Branca, a mulher do Presidente está a contar os minutos para acabar com o casamento, que há muito...

Afreximbank em alta, depois da crise

Sob a liderança de Benedict Oramah, reeleito como seu presidente em Junho, o banco pan-africano conseguiu desenvolver novos instrumentos para se adaptar à nova...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.