- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Portugal Militar da GNR que matou rapaz de etnia cigana não vai preso

Militar da GNR que matou rapaz de etnia cigana não vai preso

(Foto: Paulo Spranger- Global Imagens)
(Foto: Paulo Spranger- Global Imagens)

Relação reviu condenação de Hugo Ernano para quatro anos de prisão com pena suspensa. Defesa admite recorrer para o Constitucional

Quatro anos de prisão com pena suspensa. O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) decidiu baixar a condenação do militar da GNR que, em Agosto de 2008, matou uma criança de etnia cigana durante uma perseguição policial. Hugo Ernano tinha sido condenado, no ano passado, a nove anos de cadeia efectiva pelo crime de homicídio simples com dolo eventual. Porém, os juízes do TRL reviram a sentença e condenaram o militar por homicídio simples por negligência grosseira.

Hugo Ernano atingiu a tiro Paulo Jorge, de 13 anos, quando participava num assalto a um armazém com o pai e um tio e tinha sido condenado ao pagamento de uma indemnização de 80 mil euros à família da rapaz. No entanto, o TRL baixou o valor para 45 mil euros. O presidente do tribunal, Vaz das Neves, justificou a decisão de baixar a indemnização com o facto de ter havido “culpa dos progenitores” do adolescente: do pai porque porque levou o filho para um assalto e da mãe porque descurou o dever de “vigilância” para com o menor.

Do total da indemnização, 35 mil euros serão entregues à mãe do rapaz e 10 mil euros ao pai. Sandro Lourenço estava fugido da cadeia e entretanto foi condenado a dois anos e 10 meses de prisão pelos crimes de resistência e desobediência, prestação de falsas declarações em tribunal e coacção sob funcionários.

Defesa pondera recurso A defesa do militar admite recorrer novamente, desta feita para o Tribunal Constitucional. O advogado Ricardo Vieira considerou ontem que os juízes abriram um precedente que irá “condicionar”, a partir de agora, a actuação dos polícias portugueses. Já o o militar da GNR disse não ter dinheiro e recordou que recebe “800 euros por mês”.

Hugo Ernano tinha sido condenado pelo Tribunal de Loures, a 24 de Outubro de 2013. Na altura, o colectivo de juízes deu como provado que matou, agindo com “consciência dos riscos da sua acção”. Em 2008, o militar e outro colega da GNR surpreenderam dois irmãos a assaltar uma vacaria em Santo Antão do Tojal. Os assaltantes puseram-se em fuga numa carrinha carregada com material furtado e tentaram atropelar os polícias. Lá dentro seguia o filho de um dos assaltantes, que foi atingido por um disparo do militar – que em tribunal garantiu sempre ter tentado atingir uma das rodas da carrinha.

A defesa recorreu da sentença e, na semana passada, o Ministério Público defendeu a redução da pena. Varela de Matos, procurador-geral adjunto do TRL, criticou duramente o acórdão de primeira instância. “Com o carro em andamento fura o pneu esquerdo. Com um segundo tiro tenta furar o pneu direito. Porque é que alguém há-de pensar que [o militar] quis atingir os suspeitos? Eu não acho. Isto é como dar carta-branca aos criminosos e o agente da autoridade faz figura de parvo”, defendeu, acrescentando ser “incompreensível” que “um indivíduo leve um filho menor” para um assalto. “Está-se a formar em Portugal um costume de desrespeito pelas autoridades”, criticou. (ionline.pt)

- Publicidade -
- Publicidade -

BCP confirma abertura da Sonangol para avaliar “oportunidades de criação de valor”

O Millennium bcp confirmou ontem quarta-feira que o seu segundo maior acionista, a angolana Sonangol, está atenta a eventuais movimentos de consolidação bancária na...
- Publicidade -

Covid-19. Morreu o antigo presidente francês Giscard d’Estaing

Giscard d'Estaing estava hospitalizado desde meados de novembro. De acordo com a família, o ex-chefe de Estado morreu após complicações devido à Covid-19. O antigo...

Economista Yuri Quixina alvo de assalto à mão armada

O economista e docente universitário Yuri Quixina anunciou na sua página do twitter ter sido hoje, alvo de um assalto à mão armada, quando...

Imunidades de Manuel Vicente vão ser reavaliadas pela PGR

As imunidades que protegem o ex-vice-Presidente angolano, Manuel Vicente, de processos judiciais vão ser reavaliadas pela Procuradoria-Geral da República de Angola, avançou à Lusa...

Notícias relacionadas

BCP confirma abertura da Sonangol para avaliar “oportunidades de criação de valor”

O Millennium bcp confirmou ontem quarta-feira que o seu segundo maior acionista, a angolana Sonangol, está atenta a eventuais movimentos de consolidação bancária na...

Covid-19. Morreu o antigo presidente francês Giscard d’Estaing

Giscard d'Estaing estava hospitalizado desde meados de novembro. De acordo com a família, o ex-chefe de Estado morreu após complicações devido à Covid-19. O antigo...

Economista Yuri Quixina alvo de assalto à mão armada

O economista e docente universitário Yuri Quixina anunciou na sua página do twitter ter sido hoje, alvo de um assalto à mão armada, quando...

Imunidades de Manuel Vicente vão ser reavaliadas pela PGR

As imunidades que protegem o ex-vice-Presidente angolano, Manuel Vicente, de processos judiciais vão ser reavaliadas pela Procuradoria-Geral da República de Angola, avançou à Lusa...

Cantora gospel é agredida pelo marido em pleno shopping no Rio de Janeiro

O cantor gospel Juninho Black publicou em sua conta do Instagram um vídeo onde mostra sua irmã, a cantora Quesia Freitas, sendo agredida pelo...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.