- Publicidade-
InicioAngolaManuel de Araújo: Armando Guebuza tem "paixão" por Angola

Manuel de Araújo: Armando Guebuza tem “paixão” por Angola

O Presidente de Moçambique, Armando Guebuza, está “apaixonado” pelo modelo económico de Angola, considerou hoje em Lisboa o dirigente político da oposição moçambicana Manuel de Araújo, atual edil de Quelimane, centro de Moçambique.

(Foto: Lusa)
(Foto: Lusa)

“Ele (Armando Guebuza) está a copiar o modelo angolano. Já imitamos a ‘solução final’ tipo UNITA, ao encurralarmos Dhlakhama e a filha do nosso presidente é uma fotocópia da do Presidente (angolano) José Eduardo dos Santos. Ele está apaixonado por Angola”, disse Manuel de Araújo durante um debate no seminário “Estoril Political Forum 2014”, que encerra hoje.

Manuel Araújo, que é dirigente do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), respondia assim a uma intervenção de Fátima Roque, antiga dirigente da UNITA, que não concordou com as opiniões dos participantes no debate “Africa: O Futuro da Democracia”, que apontaram Angola como “um regime totalitário” não democrático.

“Para mim, democracia é democracia. Ou é democracia ou não é democracia, não há democracia da Ásia ou da África. Há democracia”, disse ainda Manuel de Araújo, respondendo a Fátima Roque.

Para Manuel de Araújo, formado em Relações Internacionais no Reino Unido, o continente africano é pobre “em matéria de democracia” porque, entre outros fatores, existe uma complexa relação entre a pobreza e a riqueza, não se verificam alternâncias políticas e as “oposições são vistas como um inimigo a abater”.

O dirigente do MDM, que foi reeleito nas eleições autárquicas de 2013, falou ainda da capacidade dos militares, no continente, em se oporem à profissionalização das Forças Armadas dos vários países provocando, desta forma, ingerências politicas e baixos níveis de profissionalização dos Estados.

“A solução é a criação de imperativos através da educação e formação de elites interessadas no bem público capazes de contrariarem os Estados autocráticos. A prática é que os poderes capturam o Estado em nome dos interesses de uma minoria política, militar e, em alguns casos, étnica”, disse Manuel de Araújo criticando a falta de interesse dos “países ocidentais”, nas questões políticas e de boa governança nos Estados africanos.

“Para algumas poderes em África, a China é agora uma solução para as sociedades africanas. As elites africanas, no poder, já tinham adotado o antigo modelo autoritário soviético com o mesmo argumento de que eram soluções. Agora existe o apetite para o modelo chinês e não há condicionalismos para as intervenções económicas”, criticou Manuel de Araújo.

Também para Armindo Tambo, da Universidade Católica de Moçambique, a democracia em África “está em processo” e assim vai continuar por muito tempo.

“Em Moçambique ou em Angola – na prática – o que temos não é democracia. Existe uma tendência de imposições e se formos ao concreto existe uma discrepância em termos de investimentos. A desigualdade é um problema fulcral e tudo isto tem de se pôr sob contextos políticos”, disse Tambo.

“A nova geração tem de estar enquadrada na Educação para que, no futuro ou em algum momento, possamos ter democracia”, sublinhou Armindo Tambo.

Sobre o caso específico de Moçambique, Eugénia Gamboa, da Universidade Católica e conselheira do ministro da Educação português, Nuno Crato, disse que a RENAMO (Resistência Nacional Moçambicana) “não tem planos de futuro” e a FRELIMO, partido no poder, passou a ser um executor do financiamento externo não apresentando ideias políticas nem planos de governo.

Para Eugénia Gamboa, a falta de investimento no ensino e a ausência de monitorização são duas questões fundamentais que devem ser resolvidas, em Moçambique.

“Os programas são pensados mas não são monitorizados. Por exemplo, nos grandes desígnios de combate à SIDA houve um programa de distribuição de cestas básicas aos doentes afetados, mas houve pessoas que se infetaram deliberadamente para terem acesso ao cesto básico e isto é um mero exemplo de políticas onde não há consequências”, afirmou.

O “Estoril Political Forum 2014”, que se prolonga desde segunda-feira e que termina hoje à tarde, foi organizado pela Universidade Católica e teve como tema as quatro décadas da revolução portuguesa (1974) e os 25 anos da queda do Muro de Berlim (1989). (noticiasaominuto.com)

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.