InicioMundo LusófonoPortugalManifesto em defesa de Seguro diz que governo de Sócrates foi um...

Manifesto em defesa de Seguro diz que governo de Sócrates foi um desastre

Os ex-dirigentes Henrique Neto, Ventura Leite, Rómulo Machado e Gomes Marques criticam declaração dos históricos do PS

(Foto: Pedro Azevedo)
(Foto: Pedro Azevedo)

Um grupo de militantes do PS veio responder à declaração dos notáveis do partido a pedir “uma rápida clarificação no PS”. O apelo, com a assinatura de Jorge Sampaio, Manuel Alegre, Almeida Santos e Vera Jardim merece uma resposta dura num texto, a que o i teve acesso e que publica na íntegra, intitulado “Sejamos consequentes”, em que a governação de José Sócrates é classificada como um “descalabro” e é claro o apelo aos socialistas para que não deixem voltar ao poder “os mesmos que no PS conduziram Portugal para o desastre”.

São quatro os socialistas – Henrique Neto, Ventura Leite, Rómulo Machado e António Gomes Marques – que dizem ter recebido com “surpresa” a declaração dos notáveis, que consideram ser “a favor de António Costa”. Alguns destes socialistas ocuparam cargos de relevo no PS, como Henrique Neto, que foi dirigente do partido e deputado, e Ventura Leite, que foi deputado nos tempos de Sócrates, mas entrou em ruptura com o partido por discordar da governação do então primeiro-ministro. Na resposta aos notáveis, o grupo de ex-dirigentes lamenta que “estas quatro personalidades” do PS se tenham mantido “quase sempre caladas” durante os anos em que Sócrates governou o país. “Nesse período sempre verificámos com angústia, como certamente muitos outros portugueses e socialistas, que o interesse nacional andou a reboque dos interesses partidários do grupo no poder, sem que isso tivesse conduzido a uma posição tão relevante como a que agora foi tornada pública.”

CRÍTICAS A SÓCRATES Com a “plena consciência” de que estão a tomar uma “posição impopular”, estes militantes socialistas defendem que o “mau governo” da coligação PSD/CDS não pode fazer esquecer que não foi a direita que “preparou o terreno para os cortes salariais, para as privatizações feitas sem critério e para o descrédito das instituições”. A culpa, assumem, foi dos governos do PS: “Fomos nós socialistas que o fizemos e quanto mais rapidamente o compreendermos melhor será para o PS e para Portugal.”

Os erros cometidos nos tempos de Sócrates são para estes socialistas razão mais que suficiente para impedir o regresso ao poder dos “mesmos que conduziram Portugal para o desastre”. Isso seria, dizem, um “crime contra a Nação Portuguesa e um ultraje aos princípios e valores do Partido Socialista”.

As críticas destes ex-dirigentes do PS à governação de Sócrates são antigas. Joaquim Ventura Leite protagonizou, em 2009, um momento pouco habitual no parlamento com um deputado socialista a pedir ao governo que invertesse o rumo, sob pena de conduzir o país ao “desastre” e ao “descrédito” no plano internacional.

O empresário Henrique Neto foi das vozes mais críticas, a nível interno, nos tempos de Sócrates. Em 2011, o ex-deputado pediu mesmo a demissão de Sócrates da liderança para permitir uma renovação a tempo das eleições legislativas desse ano. Rómulo Machado foi dos poucos que, no congresso de 2011, levantaram a voz contra Sócrates para o acusar de ter levado o país à bancarrota.

Os quatro militantes lamentam ter sido “ignorados” e “frequentemente vilipendiados, apenas por denunciar os erros, os jogos de interesses e os estragos que a governação do PS estava a infligir a Portugal”. Três anos depois de Sócrates ter saído do governo, o grupo de militantes entra na disputa entre Costa e Seguro para tentar evitar o regresso dos que acusam de ter levado Portugal para “os braços da dependência internacional e para o sacrifício de milhões de portugueses”. (ionline.pt)

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.