- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola Israel volta a pedir a Washington que não coopere com o Irão

Israel volta a pedir a Washington que não coopere com o Irão

(Chip East- Reuters)
(Chip East- Reuters)

Benjamin Netanyahu aconselha EUA sobre estratégia contra Irão e ISIS no Iraque: “Enfraquecer ambos”

“Aquilo que estamos a ver hoje no Iraque e na Síria são os ódios gritantes entre xiitas radicais, liderados pelo Irão, e sunitas radicais liderados pela Al-Qaeda e o ISIS. Ambas as facções [do islão] são inimigas dos Estados Unidos. E quando os nossos inimigos lutam entre si, nós não reforçamos nenhum, enfraquecemo-los a ambos.”

É esta a opinião do primeiro- -ministro israelita, Benjamin Netanyahu, manifestada na noite de domingo (madrugada de ontem em Lisboa) no programa “Meet the Press”, do canal NBC.

Netanyahu, que há muito mantém relações tensas com a administração Obama, condena o acordo interino alcançado pela comunidade internacional com o Irão em Novembro para controlar o seu programa nuclear.

Mas a possível cooperação militar entre Teerão e Washington face aos recentes acontecimentos no Iraque, com os tradicionais inimigos a ponderarem uma acção conjunta para travar os avanços da insurreição sunita, é uma preocupação que Israel nunca julgou que viria a ter.

Netanyahu considera um “erro histórico” o acordo sobre o programa alcançado na condição de reduzir as sanções impostas pelo Ocidente ao regime de Hassan Rouhani, e vê o conflito do Iraque como a oportunidade perfeita para o principal inimigo obter armas nucleares.

“Penso que, de longe, o pior resultado [da situação iraquiana] é que um destes grupos, o Irão, saia disto com armas nucleares. Seria um erro trágico… tornaria todos os outros assuntos secundários”, disse Netanyahu ao canal americano.

Na quinta-feira, os Estados Unidos voltaram a repetir que o Irão pode desempenhar um papel construtivo no Iraque e confirmaram estar a negociar com o governo iraniano para que “não encoraje passos que façam o Iraque resvalar para um conflito”.

Antes da entrevista de Netanyahu, o aiatola Ali Khamenei, autoridade suprema do Irão, acusou Washington de estar a tentar reaver o controlo do Iraque ao explorar as rivalidades sectárias do país. Nas suas declarações ao país, Khamenei não comentou a observação feita pelo presidente Rouhani acerca dos benefícios de cooperar com o adversário norte-americano para defender o aliado mútuo. “Opomo-nos fortemente a uma intervenção dos EUA e outros [aliados] nos assuntos domésticos do Iraque”, disse o aiatola, que tem a palavra final sobre qualquer iniciativa proposta pelo governo. “A principal disputa no Iraque é entre aqueles que querem que o Iraque se junte aos EUA e aqueles que querem um Iraque independente. Os EUA têm como objectivo colocar os seus seguidores cegos no poder [no Iraque] já que não estão contentes com o actual governo.”

A semana passada, fontes da administração americana avançaram ao “New York Times” que estavam em conversações com líderes das facções xiitas e sunitas para encontrarem uma alternativa a Nouri al-Maliki. A pressão sobre o xiita, cujo sectarismo está a alimentar, em parte, a insurreição sunita no país, dizem essas fontes, ficou ontem mais perto de ser formalizada após a visita surpresa do secretário de Estado John Kerry a Bagdade. (ionline.pt)

por Joana Azevedo Viana

- Publicidade -
- Publicidade -

Potencial petrolífero é de 40 mil milhões de dólares

As empresas angolanas do sector petrolífero apenas aproveitam cerca de 10 por cento do potencial estimado em 40 mil milhões de dólares que a...
- Publicidade -

França quer punir delito de “ecocídio”

Proposta apoiada pelo governo prevê pena de até dez anos de prisão e multa de até 4,5 milhões de euros para quem causar danos...

Burkina Faso: Jihadistas impedem o voto de 300 mil eleitores

As eleições presidenciais e legislativas no Burkina Faso tiveram lugar num contexto de ameaças de grupos radicais islâmicos. Não houve registo de violência na...

Obras do novo Aeroporto Internacional de Luanda retomadas em Janeiro de 2021 e sem financiamento adicional, garante ministro dos Transportes

As obras do novo aeroporto internacional de Luanda vão ser retomadas no princípio de 2021 e serão concluídas no prazo de dois anos, garantiu...

Notícias relacionadas

Potencial petrolífero é de 40 mil milhões de dólares

As empresas angolanas do sector petrolífero apenas aproveitam cerca de 10 por cento do potencial estimado em 40 mil milhões de dólares que a...

França quer punir delito de “ecocídio”

Proposta apoiada pelo governo prevê pena de até dez anos de prisão e multa de até 4,5 milhões de euros para quem causar danos...

Burkina Faso: Jihadistas impedem o voto de 300 mil eleitores

As eleições presidenciais e legislativas no Burkina Faso tiveram lugar num contexto de ameaças de grupos radicais islâmicos. Não houve registo de violência na...

Obras do novo Aeroporto Internacional de Luanda retomadas em Janeiro de 2021 e sem financiamento adicional, garante ministro dos Transportes

As obras do novo aeroporto internacional de Luanda vão ser retomadas no princípio de 2021 e serão concluídas no prazo de dois anos, garantiu...

Sonangol e Endiama serão parcialmente privatizadas até 2022

O Governo vai dispersar em bolsa uma parte das empresas petrolífera e diamantífera Sonangol e Endiama em 2021 ou no início de 2022, disse...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.