- Publicidade-
InicioDestaquesPortugal: Ministério público 'persegue' rasto dos 4,2 mil milhões do BESA

Portugal: Ministério público ‘persegue’ rasto dos 4,2 mil milhões do BESA

(DR)
(DR)

O Ministério Público está, segundo noticia esta quinta-feira o jornal Diário Económico, a acompanhar o caso do Banco Espírito Santo Angola (BESA), onde alegadamente se terá perdido o rasto a 5,7 mil milhões de dólares (4,2 mil milhões de euros) relativos a créditos concedidos pelo banco angolano.

A justiça portuguesa vai encetar procedimentos jurídicos para tentar perceber para onde foram os 4,2 mil milhões de euros cedidos pelo BESA a título de empréstimo, quem foram os beneficiários do elevado montante cedido pelo banco maioritariamente detido pelo BES.

Em causa estão créditos atribuídos de forma discricionária e sem qualquer garantia real, vários levantamentos em dinheiro no valor de centenas de milhões de dólares, mas também dossiês de crédito que alegadamente não existem, explica o Diário Económico.

Em declarações à mesma publicação, fonte junto do departamente que analisa este tipo de processos, o DCIAP (Departamento Central de Investigação e Ação Penal), explica que a Procuradoria-Geral da República estuda agora a possibilidade de cruzar dados de processos pendentes e elementos do domínio público.

“O DCIAP está a acompanhar a situação, coligindo todos os elementos que estão ao seu alcance quer através de elementos que são do domínio público quer de elementos que, eventualmente, possam resultar de processos pendentes”, afirmou fonte da PGR.

De referir que face a potenciais perdas no valor em cima mencionado, o Estado angolano assegurou já uma garantia financeira no mesmo montante, tentando desta forma afastar a possibilidade de uma crise sistémica nos setores financeiros português e angolano. (noticiasaominuto.com)

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.