InicioAngolaLaços indestrutíveis com Cuba

Laços indestrutíveis com Cuba

Angola e Cuba assinaram ontem um memorando de entendimento para adjudicação de obras nas áreas de construção civil e obras públicas no período de 2013/2017.

(Foto: Francisco Bernardo)
(Foto: Francisco Bernardo)

O acordo, assinado pelo Vice-Presidente do Conselho de Ministros de Cuba, Ricardo Cabrisas, e pelo ministro das Relações Exteriores de Angola, Georges Chikoti, na presença dos respectivos Chefes de Estado, reforça também a cooperação nas áreas do ensino e da saúde.

A assinatura do memorando de entendimento resultou de negociações entre delegações dos dois governos, no âmbito da visita oficial do Presidente José Eduardo dos Santos, que viajou para Cuba a convite do seu homólogo Raul Castro Ruz. Uma visita que se insere no âmbito do reforço da cooperação entre dois povos cujos laços de amizade e irmandade, forjados durante longos anos de luta pela independência e soberania de Angola, foram recordados terça-feira pelo Presidente de Angola.

O Presidente José Eduardo dos Santos foi ao Palácio da Revolução, sede do Conselho de Estado cubano, acompanhado por vários ministros e assessores. À delegação que o acompanhou na recente visita à República Federativa do Brasil juntaram-se os ministros da Saúde, José Van-Dúnem, e do Ensino Superior, Adão do Nascimento.

Poeta da Revolução

Antes de ir ao encontro do Presidente Raul Castro Ruz, o Chefe de Estado angolano rendeu homenagem a José Martí, ícone da independência de Cuba. José Eduardo dos Santos depositou uma coroa de flores no monumento erguido na Praça da Revolução, em memória do escritor e poeta, autor de versos transformados em palavras de ordem: “uma escola é um forno de espíritos” e “os homens vão em dois grupos/Os que amam e edificam e os que odeiam e destroem”.

Outro dos momentos de destaque nesta visita do Presidente José Eduardo dos Santos a Cuba foi a deslocação à Zona Especial de Desenvolvimento de Mariel (ZEDM), um mega empreendimento localizado a oeste de Havana, numa área de 540 quilómetros quadrados, que resulta de uma parceria com o Brasil.

A obra tem um custo global de cerca de mil milhões de dólares. O Jornal de Angola ouviu o presidente da Odebrecht em Cuba, entidade encarregada de desenvolver o projecto. Mauro Hueb explicou que a ZEDM resulta do interesse do Governo cubano em promover o desenvolvimento económico e social do país.

“Foi criado um grande porto, o Porto de Mariel, que é o coração do projecto, e à sua volta uma área industrial, a Zona de Desenvolvimento Especial de Mariel, com o objectivo de atrair investidores estrangeiros.

Foi criado um decreto especial que lhe serve de suporte legal”, disse Hueb, adiantando que está a ser feita uma campanha internacional para a captação de investidores estrangeiros atraídos pelo enorme potencial de negócio e pelas condições tributárias especiais proporcionadas pelo Governo cubano. “O porto tem capacidade para um milhão de contentores por ano, com a possibilidade de chegar aos dois milhões de contentores, dependendo da procura, e tem toda a infra-estrutura e condições de operação de um porto de última geração”, garantiu Mauro Hueb.

Potencial enorme

O presidente da Odebrecht em Cuba disse que a Zona de Desenvolvimento Especial de Mariel tem um enorme potencial para gerar riqueza, resultante não só da capacidade instalada, da excelência das operações e das irrecusáveis facilidades tributárias, mas também da posição geográfica do Porto de Mariel e do país em geral. “Cuba está situada numa posição estratégica do ponto de vista de logística marítima e o Governo cubano criou o projecto justamente por causa do potencial logístico que o país tem devido à sua posição geopolítica”, disse.

A Zona de Desenvolvimento Especial de Mariel tem o porto, que é o coração do projecto, apoiado por uma auto-estrada que faz a conexão com toda a malha rodoviária do país e a uma rede ferroviária que vai ligar o porto a toda a rede ferroviária cubana. “O ‘master plan’ é mais amplo do que possam imaginar”, disse o engenheiro, que aponta para um horizonte de 10 anos a conclusão de toda a infra-estrutura portuária.

Aposta a três

Brasil e Cuba têm uma relação diplomática importante, refere Hueb. A primeira fase do Porto de Mariel foi executada com um crédito concedido pelo Brasil no valor de 802 milhões de dólares. Com a contraparte cubana, o investimento chegou a quase mil milhões de dólares.

O engenheiro mostrou-se empolgado com a possibilidade de investidores angolanos entrarem no projecto ZDEM, apoiados na relação histórica entre Cuba e Angola. “O Brasil tem com Cuba uma relação histórica e, uma vez que Cuba também tem uma relação histórica com Angola, essa triangulação pode gerar capacidade para muitos e bons investimentos”, disse o presidente da Odebrecht em Cuba.

As relações diplomáticas entre Angola e Cuba foram estabelecidas a 15 de Novembro de 1975. Trabalham em Angola 4.196 cubanos, 1.842 na saúde, 1.588 na educação e os restantes na construção, energia, águas e outros sectores, dentro de uma cooperação diversificada. (jornaldeangola.com)

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.