- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo África Líbia: a guerra secreta já se iniciou

Líbia: a guerra secreta já se iniciou

(Foto: REUTERS/Esam Omran Al-Fetori)
(Foto: REUTERS/Esam Omran Al-Fetori)

Pelo visto, uma ideia estranha formulada em tempos por Muammar Kadhafi, sobre a criação de um “Estado sem Estado”, acabou por se implantar na mente de seus oponentes. Cerca de 1.700 grupos armados continuam impedindo os esforços no sentido de criar na Líbia uma ou outra forma de poder estatal. A Europa precisa de petróleo e os países vizinhos da Líbia necessitam de calma.

Quando no fim de Maio, o jornal The Times informou sobre a deslocação para o sul da Líbia de destacamentos especiais de alguns países para a realização de uma operação especial secreta, uma série de peritos apontou, quase em simultâneo, para uma fase activa de liquidação da anarquia naquele país.

O envolvimento nesta enigmática missão das tropas especiais da França, EUA, Grã-Bretanha, Argélia e Chade tem causado analogias directas com uma operação militar realizada, no ano passado, por estes países no Mali. Foi então que, a par do aniquilamento das “redes terroristas” da Al-Qaeda no Magreb Islâmico, iniciou a campanha de reabilitação do Estado e de seus órgãos policiais. O mesmo tem de ser feito na Líbia.

No entanto, quando em 9 de Junho, no decorrer das negociações bilaterais, os chanceleres da Argélia e da França desmentiram as informações sobre alegadas missões secretas de suas tropas na Líbia, ninguém teria tido motivos para acusá-los de astúcias.

São óbvias as razões da cautela dos militares. Hoje, nem a França, nem os EUA, podem apoiar abertamente as forças que se pronunciam contra o poder eleito na sequência das revoluções orquestradas por Washington e Paris. O Egipto e a Argélia não têm tais “complexos”, mas actuam com muita cautela e a ponderação, temendo estragar as relações. O que nem sempre acontece. Segundo o jornal Al-Quds Al-Arabi, ainda no início de Maio, as autoridades argelinas tinham prometido aos seus colegas líbios “defender a Líbia contra a eventual intrusão do Egipto”.

Entretanto, a ameaça de propagação do terrorismo islâmico a partir do território líbio, se coloca acima de suspeitas. Até aos finais de Maio, todos os vizinhos da Líbia, ao abrigo de um acordo especial, acabaram por fechar as fronteiras. Os poderes da Tunísia ordenaram construir, o mais brevemente possível em várias zonas do país, campos de refugiados para um caso de “situação de emergência”.

Em Abril, a Argélia aquartelou, na linha fronteiriça com a Líbia, um regimento de desembarque aéreo, com a experiência de combates contra o Al-Qaeda no Magreb Islâmico. O regimento conta com 5 mil efectivos, equipamentos militares modernos, inclusive helicópteros e aviões. Para além de argelinos, na operação se empenham destacamentos militares do Ocidente. No sul, as vias de recuo dos terroristas tinham sido cortadas pelo exército do Chade. O objectivo comum perseguido pela “coalizão de sul” é neutralizar os bandidos, aniquilar suas armas e meios de comunicação, desmantelar suas bases militares e infraestruturas logísticas. Durante cinco anos a Argélia travou uma dura guerra contra terroristas e hoje não quer que a situação se repita.

No leste, o antigo coronel líbio Haftar prossegue encarniçados combates contra grupos de extremistas islâmicos. Para o seu lado passaram as melhores unidades do exército da Líbia. Ele tem sido apoiado pela população e conta com armas pesadas e uma base aérea em Tobruk. Precisa de um auxílio do Egipto. O novo presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, anunciou pretender continuar a luta contra a Irmandade Muçulmana. Por isso, Haftar tem motivos para contar com o seu apoio, prometendo impedir a penetração de rebeldes líbios para o Egipto.

O presidente do Egipto se mantém reticente, ficando na expectativa. Ao contrário da Argélia, não tem muitos aliados. O Cairo se dará ao luxo de apoiar Haftar quando o triunfo dele for mais do que evidente e inevitável.

Para já, os antigos “Amigos da Líbia” juntaram as suas forças ao longo da fronteira, esperando por uma execução de missões tácticas por meios internos daquele país. Se limitarão eles a essa “guerra secreta” ou irão imiscuir nos assuntos internos da Líbia arruinada ainda não se sabe.

A vitória nas eleições democráticas não facultou, infelizmente, à direcção líbia um poder real no país, tendo-a privado de protecção contra as tramas secretas dos aliados. (ruvr.ru)

- Publicidade -
- Publicidade -

Directora-geral da Saúde de Portugal infectada com Covid-19

A diretora-geral da Saúde está infetada com covid-19, confirmou Graça Freitas ao jornal "Expresso". Graça Freitas está com sintomas ligeiros. A responsável pela autoridade nacional de...
- Publicidade -

Manuel Rabelais começa a ser julgado no dia 9 deste mês

O antigo director do GRECIMA, Manuel Rabelais, começa a ser julgado pelo Tribunal Supremo (TS) na próxima quarta-feira, dia 09, por crime de peculato,...

Lewis Hamilton testa positivo para a Covid-19 e falha GP de Sakhir

O piloto Lewis Hamilton "acordou na segunda-feira de manhã com sintomas ligeiros". O piloto britânico Lewis Hamilton (Mercedes) testou positivo à Covid-19 e não vai...

Assalto em Criciúma: Explosivos e “chuva de dinheiro” na rua

Assalto em Criciúma deixou reféns em via pública, quatro bombas desarmadas e dinheiro roubado de agência espalhado pelo chão Explosivos, dinheiro espalhado pelo chão e...

Notícias relacionadas

Directora-geral da Saúde de Portugal infectada com Covid-19

A diretora-geral da Saúde está infetada com covid-19, confirmou Graça Freitas ao jornal "Expresso". Graça Freitas está com sintomas ligeiros. A responsável pela autoridade nacional de...

Manuel Rabelais começa a ser julgado no dia 9 deste mês

O antigo director do GRECIMA, Manuel Rabelais, começa a ser julgado pelo Tribunal Supremo (TS) na próxima quarta-feira, dia 09, por crime de peculato,...

Lewis Hamilton testa positivo para a Covid-19 e falha GP de Sakhir

O piloto Lewis Hamilton "acordou na segunda-feira de manhã com sintomas ligeiros". O piloto britânico Lewis Hamilton (Mercedes) testou positivo à Covid-19 e não vai...

Assalto em Criciúma: Explosivos e “chuva de dinheiro” na rua

Assalto em Criciúma deixou reféns em via pública, quatro bombas desarmadas e dinheiro roubado de agência espalhado pelo chão Explosivos, dinheiro espalhado pelo chão e...

UNITA defende registo eleitoral independente

O maior partido da oposição angolana quer a realização de um novo registo eleitoral antes das eleições autárquicas, adiadas este ano. Analista defende que...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.