Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Costa apresenta-se a eleições no PS “quando e onde o partido decidir”

(Foto: Rodrigo Cabrita)
Segundo Costa, “quanto mais tarde pior, quanto mais cedo melhor”
(Foto: Rodrigo Cabrita)
(Foto: Rodrigo Cabrita)

O presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, disse hoje, em Santarém, que se apresentará a eleições à liderança do PS “quando e onde o partido decidir”, apelando a que estas ocorram o mais cedo possível.

António Costa, que hoje visitou a Feira Nacional da Agricultura (FNA) acompanhado pelo eurodeputado socialista Capoulas Santos e uma comitiva de apoiantes, disse aos jornalistas que não se vai dedicar “nem a ataques pessoais nem a questões estatutárias”.

“O partido resolverá como entender e eu apresentar-me-ei onde e quando o partido decidir que se coloca o momento eleitoral. Se em primárias, se em diretas, se em congresso, eu estarei presente e não levanto questões dessa natureza. Acho, o que creio que é óbvio para todos os portugueses, que quanto mais depressa melhor, porque o país precisa com urgência de ter um PS forte”, afirmou.

Segundo Costa, “quanto mais tarde pior, quanto mais cedo melhor”.

Questionado sobre a divisão que se gerou no interior do partido desde que anunciou estar disponível para disputar a liderança, António Costa afirmou que a questão que se coloca é ter “um PS forte, capaz de mobilizar o país, de corporizar uma mudança política”.

“Eu disponibilizo-me ao partido para ajudar a dar força ao PS e ajudar a fazer essa mudança. É essa a minha única e exclusiva ambição e é para isso que é necessário mobilizar Portugal, como os agricultores se têm mobilizado”, afirmou.

Sobre a comitiva que o acompanhou hoje na visita à Feira da Agricultura, António Costa disse sentir-se apoiado “quer internamente quer externamente, quer para eleições internas quer para eleições externas”, pedindo “força ao PS” para que o partido consiga uma maioria que garanta a mudança e consiga “mobilizar Portugal para os desafios do futuro”.

António Costa justificou a sua presença na FNA com a necessidade de “testemunhar o esforço extraordinário que os agricultores portugueses têm estado a fazer para, em contraciclo, suportarem um grande esforço de investimento que tem permitido que este seja um setor” em crescimento, representando atualmente 20% das exportações nacionais. (ionline.pt)

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »