InicioMundoÁfricaObama pede respeito aos direitos políticos no Egipto

Obama pede respeito aos direitos políticos no Egipto

Washington – O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, defendeu nesta terça-feira a necessidade de se garantir as liberdades políticas no Egipto e conversou por telefone sobre a questão com o recém-eleito líder egípcio, Abdel Fatah al-Sissi.

(Foto: Tony Arnold)
(Foto: Tony Arnold)

Durante o telefonema com Al-Sissi, Obama manifestou o seu apoio, mas também seu mal-estar diante de algumas políticas adoptadas pelo egípcio desde a queda de Mohamed Mursi, em Julho de 2013.

“O presidente reiterou o apoio dos Estados Unidos às aspirações políticas, económicas e sociais do povo egípcio e o respeito aos seus direitos universais”, de acordo com o comunicado divulgado pela Casa Branca. Já Al-Sissi “expressou a sua satisfação” com o telefonema e agradeceu o apoio dos Estados Unidos ao seu novo governo.

Ambos reafirmaram a cooperação estratégica entre os seus países. Essa cooperação esteve em xeque após o golpe contra o islâmico Mursi, o primeiro presidente eleito da História do Egipto, e depois da dura repressão à Irmandade Muçulmana, principal partido do país. A Irmandade foi tornada ilegal e considerada “terrorista” pelo novo governo.

Al-Sissi saiu vitorioso das urnas nas eleições realizadas em Maio passado, mas a consulta foi boicotada pelos integrantes da Irmandade. Com isso, a participação eleitoral foi de 47 por cento.

O telefonema de Obama foi dado no mesmo dia em que o Departamento de Estado americano manifestou sua repulsa ao vídeo que mostrou agressões sexuais sofridas por uma mulher no Cairo. O Departamento pediu ao governo egípcio que ponha fim a esse tipo de ataque.

O vídeo “nos surpreendeu e nos horrorizou tanto como ao povo egípcio”, disse à imprensa a porta-voz do Departamento de Estado americano, Jennifer Psaki.

“Pedimos ao governo que cumpra sua promessa de fazer o que for necessário para combater o assédio sexual e implementar a nova lei que pune os estupradores”, acrescentou.

O vídeo, aparentemente filmado por um celular no domingo durante a posse de Al-Sissi, mostra um grupo de homens a cercar uma jovem, que teve a sua roupa arrancada na emblemática Praça Tahrir, no Cairo.

“A prevalência de ataques sexuais contra egípcias é motivo de grande preocupação, não apenas para o povo do Egipto como também para os Estados Unidos e para a comunidade internacional”, afirmou Psaki.

A porta-voz também pediu às novas autoridades que não permitam que esse tipo de violência de género contra mulheres fique impune. (portalangop.co.ao)

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.