- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Desporto Mundiais. A história de Portugal em cinco capítulos

Mundiais. A história de Portugal em cinco capítulos

Da gloriosa epopeia em 1966 (meias-finais) ao conflito entre jogadores e Queiroz em 2010 (oitavos-de-final),um resumo das campanhas nacionais

(LUSA)
(LUSA)

1966 A táctica é bem simples: guarda-redes do Belenenses, defesa do Sporting e ataque do Benfica. Com estes ingredientes, Portugal estreia-se de forma entusiástica na história dos Mundiais, pela mão do brasileiro Otto Glória, o técnico da selecção nacional que chegara a Lisboa em 1954 para profissionalizar o Benfica (e o futebol português).

Em Inglaterra, Otto (neto de portugueses) enche-se de glória, assim como os jogadores, mais conhecidos por Magriços, na sequência de um concurso de alcunhas promovido pelo jornal “A Bola”. Entre Zé, Lusito, Piruças, Magriços, Cockinhas e Pimpão, o povo escolheu Magriços e Magriços ficou. Vestido de galo futebolista de Barcelos.

À chegada a Londres, um dirigente da FIFA, de seu apelido Robinson, dá as boas-vindas a Portugal com um certo cinismo, que se revelaria premonitório: “Desejo-vos todas as felicidades, sem esquecer que a Inglaterra está na prova.” Que comece então o Mundial.

Instalada em Manchester, a selecção despacha todos os rivais com três golos. Na estreia, por exemplo, ninguém em Portugal vê o primeiro golo, de José Augusto, aos três minutos. A Emissora Nacional só começa a transmitir o jogo com a Hungria um pouco depois.

Com a Bulgária, o autocarro da selecção parte para o hotel sem Otto Glória, que faz a viagem no carro dos jornalistas. No 3-1 ao Brasil, o inesquecível episódio da quezília entre Morais e Pelé. Lesionado, após duas entradas fora de tempo ao joelho direito, o brasileiro ameaça: “Eu parto uma perna a você!” Ao que Morais respondeu: “Vai mas é fazer as malas [para casa].” E a isto Coluna acrescenta: “Pelé, olha que o Morais é perigoso, tem maus fígados.”

Nos quartos, a Coreia do Norte ganhava 3-0 aos 24′ quando Eusébio se irrita e marca quatro de seguida, garantindo a meia-final com a anfitriã Inglaterra em Liverpool. O problema é que a FIFA altera o local à última hora para Wembley. Autor de um bis, Bobby Charlton faz chorar o Pantera Negra. A história, essa, já está escrita. Com glória. A de Otto. E a de todos os portugueses.

Hungria 3-1, Bulgária 3-0, Brasil 3-1, Coreia do Norte 5-3, Inglaterra 1-2 e URSS 2-1

1986 “Deixem-me sonhar!” Quando a situação está complicada na qualificação, o seleccionador José Torres tem aquele desabafo eterno, Carlos Manuel faz-lhe a vontade com um golaço do meio da rua em Estugarda (1-0 à RFA, que nunca perdera em casa na qualificação) e Portugal lá volta a uma fase final de um Mundial, 20 anos depois.

Os Infantes, alcunha dada aos jogadores, novamente através de sufrágio popular, começam mal e acabam pior. Há a exclusão de Veloso (Benfica), por acusar positivo num controlo antidoping. A contra-análise, feita em Madrid, dá negativo, mas a essa hora já embarcara Bandeirinha (Académica) numa inenarrável viagem Lisboa-Frankfurt-Dallas-Cidade do México-Monterrey, tudo de avião. Depois, para descomprimir, 100 quilómetros de autocarro rumo a Saltillo, onde tudo dá para o torto, a começar pelo campo (inclinado) de treinos.

O Hotel La Torre é uma fortaleza, com seguranças armados, mas depressa se torna uma via verde para os amigos do alheio (o representante oficial da FIFA para acompanhar Portugal é um mentiroso de primeira, que mais tarde viria a ser preso por roubo a elementos da selecção) e as raparigas da terra.

À falta de condições de trabalho acrescem-se outras também graves, como a falta de adversários dignos para preparar a selecção. Todos são amadores. Um dia, Portugal joga em Monterrey com uma equipa de empregados da indústria hoteleira de Saltillo. É uma palhaçada de sentido único. Entre os 11 golos da selecção, os jogadores rebolam-se a rir e até brincam com os jornalistas, de pé, perto da linha lateral. É um gozo tremendo. Até que o Chile se oferece para defrontar Portugal e pede 1200 contos de cachet. Finalmente um adversário de nível. Mas a federação recusa surpreendentemente. A FPF não tem dinheiro. É o fim.

Os jogadores rebelam-se, abre-se a guerra da publicidade nos fatos de treino e nas camisolas, ameaçam greve e os dirigentes começam a ficar no mais completo descrédito. Estoira a bomba, com repercussões na Assembleia da República, com Manuel Alegre a defender os jogadores na sua qualidade de trabalhadores. Como se isso fosse pouco, ainda há mais um momento traumático, com a lesão de Bento. A vitória sobre a Inglaterra (obrigado Carlos Manuel) é o único aspecto positivo de uma campanha para esquecer, com duas derrotas a fechar.

Inglaterra 1-0, Polónia 0-1, Marrocos 1-3

2002 Outro Saltillo? Nem daqui a 100 anos! Pois, a verdade é que Portugal tem a incompetência de rubricar outro momento decepcionante e humilhante numa fase final, apenas 16 anos depois dos problemas no México.

Desta vez, o desastre começa em Macau, num estágio que nada contribui para a falada (e desejada) adaptação e a jornada é pródiga em atropelos ao regulamento disciplinar, que provocam graves de-savenças na comitiva. Depois, o controlo antidoping positivo de Daniel Kenedy (entra Hugo Viana).

Qualificado sem qualquer derrota (facto inédito para a selecção), Portugal entra mal, reage bem e é eliminado sem honra nem glória pela anfitriã Coreia do Sul (1-0), num jogo de má memória em que João Vieira Pinto perde a cabeça e é expulso com vermelho directo por dar um murro no estômago do árbitro argentino Ángel Sánchez.

EUA 2-3, Polónia 4-0, Coreia do Sul 0-1

2006 Já estamos na família Scolari, o brasileiro parecido com Otto Glória na forma de falar com os jogadores e gerir o balneário. Quarenta anos depois, repete-se a presença na meia-final, sem (convenhamos) a espectacularidade de 1966.

Da lista de convocados, só um nome imprevisto: Costinha. Não pelo seu valor mas por ter parado de jogar em Novembro de 2005, em litígio com o Dínamo Moscovo. Só faz três jogos. Passa a exercitar-se por aí, nos relvados e na praia.

No início, os resultados ajudam a esquecer a má forma de Costinha. Três vitórias seguidas na fase de grupos levam- -nos a jogar com a Holanda nos oitavos–de-final. É a batalha de Nuremberga, em que o número de cartões (20, com 16 amarelos e quatro vermelhos) quase superou o de faltas (25) em 90 minutos de pura adrenalina, no jogo mais indisciplinado de sempre em fases finais. E aí Costinha demonstra que não está com pedalada para grande cometimento, razão pela qual é expulso ainda na primeira parte.

Sem Costinha – nem Deco, o outro expulso com a Holanda -, Portugal ainda passa a Inglaterra de Eriksson mas já não se aguenta com a França. E eis-nos no jogo da consolação que só serve para consolar Figo, que se despede da selecção, tal como o guarda-redes Oliver Kahn.

Angola 1-0, Irão 2-0, México 2-1, Holanda 1-0, Inglaterra 0-0 e 3-1 nos penáltis,

França 0-1, Alemanha 1-3

2010 Um lance acrobático atira Nani para fora da África do Sul (substituído por Ruben Amorim) e inicia a polémica, que se aprofundaria com Deco, substituído por Tiago no primeiro jogo do Mundial.

“Não me surpreendeu sair, o que me surpreendeu foi o treinador ter-me colocado no lado direito. Todos sabem que não sou extremo.” O seleccionador reage: “Não vou colocar uma pedra sobre o assunto, e sim um pedregulho. As pedras foram colocadas pelos próprios jogadores. Em Portugal, é muito fácil brincar com a dignidade e a honra das pessoas em termos da seriedade e da ética.”

O pedido de desculpas de Deco aparece tarde de mais. Queiroz nunca mais vai à bola com ele, nem com Coreia do Norte, nem com Brasil e nem sequer com a Espanha, nos oitavos-de-final, em que somos eliminados por Villa. Inglório destino, já agora: ao primeiro golo sofrido, Portugal está fora da competição.

Na zona mista do estádio, Ronaldo não fala mas depois solta um desconfortável “perguntem ao Queiroz”. Será o último jogo do seleccionador, envolto em problemas mil a partir daí. A federação apostaria em Paulo Bento. O que se segue à meia-final do Euro-2012?

Costa de Marfim 0-0, Coreia do Norte 7-0,

Brasil 0-0, Espanha 0-1. (ionline.pt)

por Rui Miguel Tovar

- Publicidade -
- Publicidade -

Reações.Violência policial na França: a imprensa estrangeira em choque

Deriva autoritária? Caso George Floyd ao estilo francês? Após a divulgação de imagens da agressão a um produtor negro pela polícia e enquanto uma...
- Publicidade -

Falta de comida leva ursos a atacar túmulos na Rússia

Animais procuraram forma de sobreviver à fome O comportamento incomum dos animais foi observado em mais do que uma cidade, mas foi o município russo...

LIMA tem nova líder no Bengo

A nova presidente provincial do Bengo da Liga da Mulher Angolana (LIMA), Ana Paula Afonso, foi investida, ontem, em Caxito, substituindo Ana José Chumbo. A...

Inocêncio de Matos, morto na manifestação do dia 11 de Novembro, vai hoje a enterrar

Passados 18 dias após a morte de Inocêncio Matos, finalmente será realizado o enterro. A família diz estar ultrapassado o diferendo que os opunha...

Notícias relacionadas

Reações.Violência policial na França: a imprensa estrangeira em choque

Deriva autoritária? Caso George Floyd ao estilo francês? Após a divulgação de imagens da agressão a um produtor negro pela polícia e enquanto uma...

Falta de comida leva ursos a atacar túmulos na Rússia

Animais procuraram forma de sobreviver à fome O comportamento incomum dos animais foi observado em mais do que uma cidade, mas foi o município russo...

LIMA tem nova líder no Bengo

A nova presidente provincial do Bengo da Liga da Mulher Angolana (LIMA), Ana Paula Afonso, foi investida, ontem, em Caxito, substituindo Ana José Chumbo. A...

Inocêncio de Matos, morto na manifestação do dia 11 de Novembro, vai hoje a enterrar

Passados 18 dias após a morte de Inocêncio Matos, finalmente será realizado o enterro. A família diz estar ultrapassado o diferendo que os opunha...

Rafael Marques defende informação transparente sobre capitais recuperados

O jornalista Rafael Marques, que durante os últimos anos denunciou actos de corrupção e desvios de fundos públicos, defendeu, ontem, na cidade do Lubango,...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.