- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Brasil Alckmin ameaça demitir e pede volta de grevistas

Alckmin ameaça demitir e pede volta de grevistas

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) fez neste domingo (8) à noite uma convocação para que os grevistas voltem ao trabalho sob pena de demissão por justa causa caso mantenham a greve (Foto: Roberto Sander)
O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) fez neste domingo (8) à noite uma convocação para que os grevistas voltem ao trabalho sob pena de demissão por justa causa caso mantenham a greve (Foto: Roberto Sander)

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) fez neste domingo (8) à noite uma convocação para que os grevistas voltem ao trabalho sob pena de demissão por justa causa caso mantenham a greve. Alckmin disse que o governo terá medidas austeras e afirmou que vai acionar a polícia para assegurar a segurança dos usuários a partir desta segunda-feira (9).

“Quero fazer uma convocação: que os metroviários voltem imediatamente a trabalhar. Porque a greve é abusiva. Não tem mais o que discutir. Decisão judicial se cumpre”, disse o governador depois de participar de uma reunião de emergência para discutir com o secretário estadual de Transportes, Jurandir Fernandes, medidas de contingência à paralisação.

“Aliás, quero deixar claro que quem não for trabalhar incorre em possibilidade de demissão por justa causa.” O tucano atribuiu a greve a um “grupo radical” do sindicato e criticou a participação de outros movimentos à paralisação dos metroviários. Alckmin se referia ao Movimentos dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e ao Movimento Passe Livre(MPL), que pretendem organizar atos alinhados aos dos grevistas. O sindicato dos metroviários é filiado à Central Sindical Popular (CSP-Conlutas), ligada a setores do PSol e do PSTU.

“A greve é mantida por um grupo pequeno de radicais. E está cheio de outros grupos que não têm nada a ver com os metroviários. Estão se aproveitando de uma situação”, afirmou Alckmin. “Não vão subjugar nem o metrô e nem desrespeitar a decisão judicial.”

Auxiliares do governador afirmam que a manutenção da greve reforça tese sobre ter motivação política. Para o governo, é impedir que a paralisação dos metroviários prejudique o funcionamento do metrô na semana de abertura da Copa do Mundo. Caso o movimento continue, a estratégia do governo será reforçar o regime de trabalho instalado na semana passada, quando três das cinco linhas operaram parcialmente.

O Estado apurou que os metroviários que exercem funções burocráticas seriam usados para vender passagens e dirigir os trens da linha 3-Vermelha, que liga o centro da cidade à Arena Corinthians no dia do jogo do Brasil contra a Croácia.

Antes de saber da decisão dos grevistas de manter a paralisação considerada abusiva pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT), Alckmin havia afirmado que não havia chance de a greve continuar. Para ele, já era “um absurdo verdadeiro” o descumprimento da liminar condedida pela desembargadora Rilma Aparecida Hemérito, que determinava a manutenção de 100% de funcionamento do metrô nos horários de pico e 70% nos demais horários.

Questionado se após a decisão do TRT, ainda haverá negociação com a categoria, Alckmin ponderou que “sempre existe o diálogo, agora tudo tem um limite”. “No fundo foi um prejuízo para a população que ficou sacrificada, porque o metrô responde por quase 4,8 milhões de passageiros/dia.” (diariodolitoral.com.br)

- Publicidade -
- Publicidade -

Reações.Violência policial na França: a imprensa estrangeira em choque

Deriva autoritária? Caso George Floyd ao estilo francês? Após a divulgação de imagens da agressão a um produtor negro pela polícia e enquanto uma...
- Publicidade -

Falta de comida leva ursos a atacar túmulos na Rússia

Animais procuraram forma de sobreviver à fome O comportamento incomum dos animais foi observado em mais do que uma cidade, mas foi o município russo...

LIMA tem nova líder no Bengo

A nova presidente provincial do Bengo da Liga da Mulher Angolana (LIMA), Ana Paula Afonso, foi investida, ontem, em Caxito, substituindo Ana José Chumbo. A...

Inocêncio de Matos, morto na manifestação do dia 11 de Novembro, vai hoje a enterrar

Passados 18 dias após a morte de Inocêncio Matos, finalmente será realizado o enterro. A família diz estar ultrapassado o diferendo que os opunha...

Notícias relacionadas

Reações.Violência policial na França: a imprensa estrangeira em choque

Deriva autoritária? Caso George Floyd ao estilo francês? Após a divulgação de imagens da agressão a um produtor negro pela polícia e enquanto uma...

Falta de comida leva ursos a atacar túmulos na Rússia

Animais procuraram forma de sobreviver à fome O comportamento incomum dos animais foi observado em mais do que uma cidade, mas foi o município russo...

LIMA tem nova líder no Bengo

A nova presidente provincial do Bengo da Liga da Mulher Angolana (LIMA), Ana Paula Afonso, foi investida, ontem, em Caxito, substituindo Ana José Chumbo. A...

Inocêncio de Matos, morto na manifestação do dia 11 de Novembro, vai hoje a enterrar

Passados 18 dias após a morte de Inocêncio Matos, finalmente será realizado o enterro. A família diz estar ultrapassado o diferendo que os opunha...

Rafael Marques defende informação transparente sobre capitais recuperados

O jornalista Rafael Marques, que durante os últimos anos denunciou actos de corrupção e desvios de fundos públicos, defendeu, ontem, na cidade do Lubango,...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.