InicioDesportoMundial2014: Camarões - a primeira esperança africana a estrear-se

Mundial2014: Camarões – a primeira esperança africana a estrear-se

Embora a equipa já tivesse feito grandes exibições na década anterior, os Leões Indomáveis, designação da selecção camaronesa de futebol, popularizaram-se mundialmente em 1990, na Itália, com a vedeta Roger Milla.

Seleção dos Camarões (ANGOP)
Seleção dos Camarões (ANGOP)

No Brasil2014, serão os primeiros africanos a entrarem em cena (grupo A), frente ao México, a 13 de Junho, no Arena das Dunas.

Se outrora a expressão Leões Indomáveis atemorizava adversários, hoje, mesmo com o capitão Samuel Etóo na liderança do ataque, talvez se enquadre melhor a alcunha “Leões Imprevisíveis”, muito por culpa da irregularidade e perda de força do actual esqueleto em relação às gerações anteriores.

O técnico alemão Volker Finke tem a missão de acabar com a incógnita deste conjunto, muito respeitado em África e no mundo, mas que aos poucos foi perdendo terreno para novas forças futebolísticas do continente e hoje sobrevive do seu passado glorioso.

Com um calendário, que se pode considerar favorável para o embaixador africano do grupo A do anfitrião Brasil, os Camarões, depois do México, vão encontrar na segunda jornada a Croácia, no dia 18, no Arena de Amazónia.

Se não tiver o azar de depender da última jornada para garantir a qualificação, por ser frente ao Brasil, o conjunto de Finke, caso vença na estreia e na partida seguinte, estará em condições fiáveis de encarar o anfitrião sem receio dos milhares de espectadores apoiantes brasileiros.

Uma das preocupações do seleccionador foi sempre a falta de tempo para construir plantel coeso, já que assumiu a equipa em 2013. Desenvolver essa competência colectiva requer tempo, coisa que Finke não teve. A esperança de bom desempenho ainda depende de rasgos individuais, com destaque para Samuel Etóo.

Ainda assim, os torcedores africanos temem a “Etóo-dependência”, apesar de se reconhecer que a selecção conta com jogadores de qualidade. A maior responsabilidade recai sobre o avançado do Chelsea. Outro problema dos Leões Indomáveis reside na dificuldade de fazer chegar a bola a Etóo. Alex Song, do Barcelona, pode liderar o meio campo, mas a ausência de um servidor nato ao sector atacante aumenta o cepticismo sobre a equipa.

Habituado a jogar num 4-5-1, modelo que concentra futebolistas no meio campo, inclusive com Etóo na armação para tabelar com Aboubakar ou Idrissou, a força ofensiva camaronesa reside na velocidade e boa finalização. O lado mais fraco é a coesão, pelo que o técnico trabalha nisso antes do Mundial para que a força colectiva seja maior que a soma das individualidades.

Na bagagem carrega quatro títulos africanos (1984, 1988, 2000 e 2002) e seis presenças em fases finais de Mundiais, onde somou quatro vitórias, sete empates, nove derrotas, 17 golos marcados e 34 sofridos. O onze base pode ser este: Itandje; Nkolou, Chedjou, Assou-Ekoto, Nyom; Makoun, Song, Choupo-Moting, Webo, Etóo; e Aboubakar ou Idrissou. (portalangop.co.ao)

 

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.