Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Vaticano suspende o “bispo do luxo”

Tebartz-van Elst foi chamado na semana passada ao Vaticano (Foto: FREDRIK VON ERICHSEN/AFP)
Tebartz-van Elst foi chamado na semana passada ao Vaticano (Foto: FREDRIK VON ERICHSEN/AFP)

Prelado alemão no centro de um escândalo provocado pelos gastos sumptuosos na construção de uma residência diocesana

O Vaticano anunciou nesta quarta-feira a suspensão, até nova ordem, de monsenhor Franz-Peter Tebartz-van Elst, conhecido na Alemanha como o “bispo do luxo” pelos gastos sumptuosos desde que assumiu a chefia da diocese de Limburgo.

“A Santa Sé considera que é oportuno autorizar o monsenhor Tebartz-van Elst a um período de afastamento da diocese” até à conclusão do inquérito desencadeado pela Conferência Episcopal alemã, adianta um comunicado divulgado pelo Vaticano pouco mais de uma semana depois de o prelado ter sido chamado a Roma, para responder às denúncias que pesavam sobre ele.

Em causa estavam, antes de mais, os custos extravagantes da sumptuosa residência diocesana que, segundo a imprensa alemã, terá custado perto de 40 milhões de euros. O complexo incluiria um museu, salas de conferências, capela e apartamentos privados. Inicialmente, os custos do projecto, decidido pelo antecessor do actual bispo, tinham sido estimados em 5,5 milhões de euros, mas o arquitecto responsável pela obra justificou o agravamento dos custos com os “desejos extravagantes” do prelado.

O caso provocou escândalo na diocese e mais de quatro mil fiéis subscreveram uma carta aberta onde, além do gosto pelo luxo, acusavam Tebartz-van Elst de ser autoritário e de ter mentido sob juramento quando negou ter viajado em classe executiva, numa deslocação à Índia para um programa de luta contra a pobreza.

Alvo de um inquérito da Conferência Episcopal alemã, o bispo de Limburgo negou levar um “estilo de vida sumptuoso”, mas acabou por ser chamado ao Vaticano para responder às acusações e fazer uma autocrítica.

A forma como o caso está a ser tratado pelo Vaticano gerou grande curiosidade, depois de o Papa Francisco ter criticado várias vezes os “príncipes da Igreja” pelo estilo de vida que muitos exibem, insistindo que quer uma “Igreja pobre para os pobres”. (publico.pt)

Deixe uma comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »