Domingo, Maio 28, 2023
22 C
Lisboa
More

    Nobel da Paz Desmond Tutu contra intervenção militar na Síria

    (D.R)
    (D.R)

    O prémio Nobel da Paz e arcebispo emérito da Cidade do Cabo, Desmond Tutu, declarou hoje ser contra uma possível “intervenção militar” na Síria pelos Estados Unidos e os seus aliados.

    “As crises na Síria e no Egito requerem uma intervenção humanitária, não uma intervenção militar”, disse Desmond Tutu num comunicado.

    “Apesar de todos os novos avanços tecnológicos e científicos e toda a nossa inteligência, os seres humanos ainda têm que desenvolver os meios para resolver este tipo de crise sem recorrer à violência”, declarou o ativista pelos direitos humanos.

    Para Tutu, de 82 anos, a situação na Síria “lembra os dias que precederam a invasão do Iraque em 2003”.

    “Os inspetores da ONU para as armas químicas estão no terreno, mas precisam de mais tempos para acabar o seu trabalho. Os Estados Unidos e os seus aliados devem recordar que a lei internacional determina que é necessário a aprovação do Conselho de Segurança das Nações Unidas para um ataque militar”, assinalou o arcebispo emérito.

    “Precisamos dialogar e evitar a matança, não lutar. Precisamos falar sobre as coisas incómodas, como as relações entre os assim chamados países ocidentais e o mundo islâmico, e entre Israel e a Palestina”, acrescentou o líder anglicano, que qualificou o conflito israelo-palestiniano como uma “ferida” que já causou demasiada dor.

    “Precisamos falar do porque é que algumas pessoas recorrem ao terrorismo. Devemos desenvolver a nossa compreensão sobre o outro e não a nossa habilidade para ferir o outro”, disse Tutu, que já se havia posicionado contra a guerra no Iraque em 2003.

    Desmond Tutu admitiu que a intervenção poderia “estabelecer as bases de uma vida melhor” para os sírios, mas adverte que o ataque poderia também “precipitar uma escalada geral nas tensões e na violência no Oriente Médio”.

    “Não contribuiria para a melhor sustentabilidade das relações e a segurança no mundo. Não vale a pena o risco [da intervenção]”, concluiu o arcebispo emérito.

    As ameaças contra a Síria, por parte dos Estados Unidos, Reino Unido e França, aconteceram depois de ter sido denunciado, na passada quarta-feira, o alegado uso de armas químicas pelo regime do Presidente Bashar al-Assad sobre a população civil síria, na periferia de Damasco.

    O bombardeamento terá feito mais de 300 vítimas segundo organizações não-governamentais, enquanto a oposição fala em 1.300 mortos.

    Desde o início da guerra civil na Síria, em março de 2011, já morreram mais de 100 mil pessoas e quase sete milhões necessitam urgentemente de ajuda humanitária, segundo os últimos números das Nações Unidas. (noticiasaominuto.com)

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Angola: 27 de Maio 1977

    A última vez que vi o José Van Duném (Zé) foi na noite de domingo, dia 22 de maio...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema