- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola Angola desconfia da boa-fé de Portugal no relacionamento bilateral...

Angola desconfia da boa-fé de Portugal no relacionamento bilateral…

actual_014O diário estatal Jornal de Angola revela hoje em editorial “desconfiança” em relação à boa-fé de Portugal nas relações bilaterais, referindo haver “perseguições” aos interesses angolanos.

Assinado pelo seu diretor, José Ribeiro, e sob o título “Portugal e Jonas Savimbi”, o texto surge em resposta à edição de sábado do semanário Expresso, que noticiou que o procurador-geral da República de Angola, João Maria Sousa, está a ser investigação em Portugal por “suspeita de fraude e branqueamento de capitais”.

O diário estatal angolano salienta que, décadas depois da independência, em 1975, continuam a verificar-se “perseguições aos interesses de Angola em Portugal”.

Numa referência à recente visita a Angola do ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros português, Paulo Portas, o jornal prossegue: “Soa mal e gera muita desconfiança quando vem a Luanda um ministro do governo de Lisboa afiançar que a amizade entre Portugal e Angola continua de pé e os investimentos angolanos são ‘bem-vindos’ em Portugal”.

“Já começamos a acreditar que isso não é sincero. Mesmo quando o portador da mensagem é Paulo Portas, ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros de Portugal, que é líder de um partido que nunca escondeu a sua simpatia por Jonas Savimbi e que foi diretor de um jornal, O Independente, que tanta desinformação verteu para a opinião pública sobre a nossa realidade”, acrescenta.

Referindo-se expressamente a Paulo Portas, o Jornal de Angola destaca que o governante português “está a ser lançado para liderar a direita portuguesa” caso a atual coligação PSD/CDS não sobreviva às dificuldades de governação.

“Hoje Paulo Portas é um grande amigo de Angola e está a ser lançado para liderar a direita portuguesa em caso de as coisas correrem mal à atual coligação, o que mostra que é possível, afinal de contas, um entendimento com Portugal, se calhar igual ao Entendimento do Luena, para que se ponha fim, de uma vez por todas, às guerras e guerrinhas portuguesas contra Angola”, conclui o texto.

A referência ao Entendimento de Luena reporta-se ao documento assinado em 2002 pelo Governo angolano e pela UNITA — União Nacional para a Independência Total de Angola que pôs fim à guerra civil.

No editorial, e recuando ao período da guerra civil que dilacerou Angola (1975-2002), que apenas em 1991-1992 e 1994-1998 viveu breves períodos de paz, o diário volta ainda de novo a criticar o que considerou ser o alinhamento e proteção de “parte significativa das elites políticas corruptas e intelectuais portuguesas”.

O diretor afirma também que o “império mediático português” tem sido “sempre um fiel servidor de Jonas Savimbi”.

“Os jornais e canais de televisão do senhor Pinto Balsemão [presidente do grupo Impresa] trataram a rede criminosa como se os seus membros fossem os seus heróis. Savimbi escolhia a dedo os jornalistas portugueses necessários às ações de propaganda para a guerra em Angola”, prossegue.

O diretor do Jornal de Angola acusa a imprensa portuguesa de ter sido “responsável pelo prolongamento da guerra em Angola” e as elites “corruptas portuguesas” de se “servirem dos angolanos”.

“Por trás estimulam ataques violentos contra quem lhes dá a mão e oferece amizade desinteressada. Continuamos a lidar com uma chocante falta de caráter”, sintetiza. (lusa.pt)

- Publicidade -
- Publicidade -

PGR diz que não existe mandado de detenção contra o antigo primeiro-ministro guineense

O Procurador geral da República, Fernando Gomes, disse que o ministério público não emitiu ainda nenhum mandado de detenção contra o antigo primeiro-ministro, Aristides...
- Publicidade -

José Carlos Delgado eleito Provedor de Justiça de Cabo Verde

O antigo presidente do Tribunal de Contas, José Carlos Delgado, foi confirmado pelo Parlamento, como o novo Provedor de Justiça de Cabo Verde. Parlamento aprovou...

A economia moçambicana cresce mas não cria poupança, alertam especialistas

Pouco mais de 36 por cento da população moçambicana adulta tem conta bancária. Moçambique assinala o Dia Internacional da Poupança, amanhã, 31, com o reconhecimento...

Ministério da Família preocupado com assédio moral e sexual

O Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher (MASFAMU) apontou haver preconceito de género, assédio moral e sexual nas instituições de defesa...

Notícias relacionadas

PGR diz que não existe mandado de detenção contra o antigo primeiro-ministro guineense

O Procurador geral da República, Fernando Gomes, disse que o ministério público não emitiu ainda nenhum mandado de detenção contra o antigo primeiro-ministro, Aristides...

José Carlos Delgado eleito Provedor de Justiça de Cabo Verde

O antigo presidente do Tribunal de Contas, José Carlos Delgado, foi confirmado pelo Parlamento, como o novo Provedor de Justiça de Cabo Verde. Parlamento aprovou...

A economia moçambicana cresce mas não cria poupança, alertam especialistas

Pouco mais de 36 por cento da população moçambicana adulta tem conta bancária. Moçambique assinala o Dia Internacional da Poupança, amanhã, 31, com o reconhecimento...

Ministério da Família preocupado com assédio moral e sexual

O Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher (MASFAMU) apontou haver preconceito de género, assédio moral e sexual nas instituições de defesa...

Medidas sanitárias adiaram projecções da Organização Mundial da Saúde

As medidas sanitárias adoptadas permitiram com que o país adiasse, por três meses, a cifra dos dez mil casos de Covid-19, prevista para Junho,...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.