- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Economia Corredor do Lobito catalisa investimentos

Corredor do Lobito catalisa investimentos

Augusto Tomas LobitoConferência Internacional sobre a matéria recomendou a criação de um plano  que visa recuperar as infra-estruturas de transportes para facilitar a circulação na região.

Os ministros dos Transpor­tes de Angola, República De­mocrática do Congo (RDC) e Zâmbia decidiram desenvol­ver um plano integrado para a reabilitação, manutenção e operação da rede de Cami­nhos-de-Ferro que vai servir o Corredor de Desenvolvi­mento do Lobito.

A medida está expressa nas recomendações da primeira reunião ministerial dos titula­res dos Transportes, realizada na cidade ferroportuária do Lobito (Benguela).

O projecto integrado visa proporcionar um troço de transporte ferroviário mais curto e eficiente do porto para a cintura do cobre da RDC e da Zâmbia.

A rede do Caminho-de-Fer­ro do Corredor do Lobito inte­gra o sistema do Caminho-de-Ferro de Benguela (Angola), Societé National de Chemin de Ferre (RDC) e Zâmbia Road Limited (Zâmbia).

Aposta

Os titulares dos Transpor­tes dos três países decidiram igualmente desenvolver um plano integrado para a reabi­litação, manutenção e gestão da rede de infra-estruturas ro­doviárias do Corredor do Lo­bito a nível de cada Estado.

O projecto tem como objec­tivo principal criar uma rede de estradas para proporcio­nar a circulação de pessoas e bens dos três países, e promo­ver o transporte internacional multimodal. Para isso, será definida a concessão e desen­volvimento dos troços do Jim­be, Luau e Dilolo como postos fronteiriços interligados, de modo a melhorar a eficácia.

As partes concordaram har­monizar as políticas, regula­mentos, leis e padrões do co­mércio e transportes, tendentes a facilitar o fornecimento de in­fra-estruturas e serviços. Além disso, será desenvolvido um instrumento jurídico, memo­rando de entendimento, que providenciará um mecanismo para uma governação conjunta do Corredor do Lobito.

Os ministros debateram também vários temas, com particular realce para a dina­mização do Corredor do De­senvolvimento do Lobito, es­tabelecimento de mecanismos de gestão do Corredor e plano integrado para reabilitação, manutenção e administração da rede de infra-estruturas de transportes do Corredor.

A reunião ministerial decor­reu sob o lema “Corredor do Lobito: União, Integração e De­senvolvimento Económico”.

Angola aposta forte na integração regional das economias

O Executivo angolano está cada vez mais apostado em facilitar as transações comerciais entre os três países interligados pelo Corredor do Lobito. Segundo o ministro dos Transportes de Angola, Augusto da Silva To­más, foram investidos 1,2 mil milhões de dólares norte-ame­ricanos, para a modernização do Porto do Lobito e Caminho-de-Ferro de Benguela.

O governante que discur­sava na primeira reunião ministerial sobre o desen­volvimento do Corredor do Lobito, que decorreu de 13 a 15 do corrente, no Lobito (Benguela), o objectivo é con­ferir a estas infra-estruturas, maior competitividade com vista a dinamização da eco­nomia angolana em particu­lar e regional em geral.

De acordo com o ministro, o Porto do Lobito e o CFB são duas empresas que se com­pletam e que constituem um factor de desenvolvimento dos países que integram o corredor, nomeadamente An­gola, Zâmbia e a República Democrática do Congo.

Segundo avançou, os investi­mentos em curso vão permitir o restabelecimento da importân­cia que o transporte ferroviário de trânsito desempenhou no passado, do Porto do Lobito em direcção aos países encalhados, que no passado movimentava 80 por cento do tráfego.

Perspectivas

Porto LobitoCom estes investimentos, o Executivo prevê também inte­grar Angola, RDC e Zâmbia, com outros portos de países da costa Leste africana, mais concretamente de Dar-es-sa­lam, no Zimbawe e Malawi.

Por outro lado, Augusto da Silva Tomás considerou o CFB como um factor de co­esão internacional entre as regiões da África Central e Austral, promovendo a di­versificação e a complemen­tariedade da economia dos vários países, tendo em vis­ta os mercados internos e a produção de bens e serviços para o mercado global.

Infra-estruturas integradas

Os três países vão contar igualmente com o Aeroporto Internacional da Catumbela, com um terminal de 13.500 metros quadrados, duas man­gas de embarque e desembar­que, 18 balcões para o Serviço de Migração Estrangeiro e um sistema de ajuda à navegação aérea. A infra-estrutura vai movimentar 2,2 milhões de passageiros por ano.

No seu pronunciamento, o ministro dos Transportes des­tacou que o aeroporto vai jo­gar um papel preponderante na economia local e regional, especialmente nos sectores de comércio, serviços e turismo. Para Augusto Tomás, o volume de tráfego esperado vai atrair investimentos nas áreas do tu­rismo, hotelaria e restauração, cujos níveis de crescimento são cada vez mais animado­res. Através do seu centro de carga aérea, o empreendimen­to aeroportuário vai contribuir para a óptimização da logísti­ca dos fluxos de mercadorias que circulam no Corredor do Lobito, através da maximiza­ção das operações dos meios aéreos de formas a reduzir os custos operacionais e o tempo.

ANDRÉ SIBI, enviado especial no Lobito

(Jornal de Economia & Finanças)

 

- Publicidade -
- Publicidade -

A segunda parte do Lourencismo

O próximo sábado, 24 de Outubro, voltará a ser um dia tenso em Luanda. Em contexto de profunda crise económica, desemprego e carências, jovens...
- Publicidade -

FMI: Angola não recupera da pandemia até 2024

O Fundo Monetário Internacional (FMI) considerou hoje num relatório que as maiores economias da África subsaariana, onde se inclui Angola, não deverão recuperar os...

PNUD e IGAE assinam memorando com vista ao combate à corrupção

As duas instituições pretendem trabalhar para a elaboração de instrumentos legais que visam a avaliação de riscos contra a corrupção e previsão de medidas...

Falta de limpeza nas valas de drenagem preocupa moradores

Os moradores do bairro Rocha Pinto pedem “intervenção urgente” da Administração do Distrito da Maianga para limpeza da vala de drenagem do canal 3,...

Notícias relacionadas

A segunda parte do Lourencismo

O próximo sábado, 24 de Outubro, voltará a ser um dia tenso em Luanda. Em contexto de profunda crise económica, desemprego e carências, jovens...

FMI: Angola não recupera da pandemia até 2024

O Fundo Monetário Internacional (FMI) considerou hoje num relatório que as maiores economias da África subsaariana, onde se inclui Angola, não deverão recuperar os...

PNUD e IGAE assinam memorando com vista ao combate à corrupção

As duas instituições pretendem trabalhar para a elaboração de instrumentos legais que visam a avaliação de riscos contra a corrupção e previsão de medidas...

Falta de limpeza nas valas de drenagem preocupa moradores

Os moradores do bairro Rocha Pinto pedem “intervenção urgente” da Administração do Distrito da Maianga para limpeza da vala de drenagem do canal 3,...

Bonga realiza espectáculos em Portugal e lança novo álbum nos 45 anos da independência de Angola

O projecto conta com mais de uma dezena de artistas, que atuam no dia da independência, 11 de novembro, no Teatro Capitólio, no Parque...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.