- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Economia Desenvolvimento económico do país na perspectiva do Ministério da Justiça

Desenvolvimento económico do país na perspectiva do Ministério da Justiça

Isabel tormentaAspectos relacionados com Registo Civil e Imobiliário e o papel que os registos notariais jogam no Desenvolvimento Económico dos países foram abordados segunda-feira, em Luanda, durante um seminário promovido pelo Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos.
O workshop decorreu sob o lema “os registos ao Serviço do Desenvolvimento Económico” e tratou da importância dos registos notariais, como um sistema organizado de registo de direitos, que assumem a função de publicitar os actos e factos dos cidadãos e das empresas, susceptíveis de produzir efeitos, no âmbito do Direito.
Mereceu destaque em debates do encontro “o registo de propriedade, como elemento fundamental para o desenvolvimento de uma economia de mercado que funcione com eficácia, aumentando a segurança jurídica”.
“No âmbito da publicitação da situação jurídica dos comerciantes, sociedades comerciais, dos bens móveis e dos bens imóveis, estes registos visam a segurança do comércio jurídico, na medida em que disponibilizam, de forma célere e a custo reduzido, um meio de prova fiável dos factos registados”, refere a nota de imprensa distribuída no final do encontro.
Reflectindo a necessidade da criação de uma base de dados de registos do notariado sólida, o documento sublinha que “as economias modernas exigem um sistema de registo forte, credível e seguro, sem direitos ocultos”.
O workshop sobre “os Registos ao Serviço do Desenvolvimento Económico” foi realizado no âmbito da cooperação entre o Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos de Angola e o Ministério da Justiça de Portugal e contou com a participação de conservadores, notários, Delegados da Justiça e Oficiais de Justiça de todas as províncias do país, bem como de alguns peritos portugueses, entre outros.
O presidente do Instituto dos Registos e do Notariado de Portugal, António Figueiredo, coadjuvado pela secretária de Estado para a Justiça, Isabel Tormenta dos Santos, foi o principal orador do Encontro.
A secretária de Estado para a Justiça, Isabel Tormenta dos Santos, que encerrou o workshop, em representação do ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, Rui Mangueira, disse à imprensa que entre as várias prioridades do sector o registo civil e do imobiliário figuram no primeiro escalão.
Considerou que a cooperação com Portugal, no domínio da Justiça, é profícua e referiu que decorre desde 15 do corrente mês, em Luanda, uma formação para a capacitação tecnico-profissional dos notários, conservadores de comarcas e outros funcionários, com a colaboração de técnicos portugueses. (portalangop.co.ao)
- Publicidade -
- Publicidade -

Ainda sobre os enganos do discurso sobre o Estado da Nação: JLo atribui mais 6,1 mil milhões USD às RIL

ESTATÍSTICAS. Economistas consideram difícil entender lapso do Presidente da República que, ao invés de 9,3 mil milhões de dólares, disse que as Reservas Internacionais...
- Publicidade -

Activistas angolanos não cedem: Nova marcha a 11 de Novembro

Activistas culpam o Presidente João Lourenço pelos incidentes de sábado, durante a marcha em Luanda por melhores condições de vida. Segundo os organizadores, duas...

Vítimas em Cabo Delgado têm direito a ter uma história, diz Mia Couto

O escritor moçambicano Mia Couto apelou hoje à humanização do relato sobre o conflito armado em Cabo Delgado, norte do país, destacando a história...

Notícias relacionadas

Ainda sobre os enganos do discurso sobre o Estado da Nação: JLo atribui mais 6,1 mil milhões USD às RIL

ESTATÍSTICAS. Economistas consideram difícil entender lapso do Presidente da República que, ao invés de 9,3 mil milhões de dólares, disse que as Reservas Internacionais...

Activistas angolanos não cedem: Nova marcha a 11 de Novembro

Activistas culpam o Presidente João Lourenço pelos incidentes de sábado, durante a marcha em Luanda por melhores condições de vida. Segundo os organizadores, duas...

Vítimas em Cabo Delgado têm direito a ter uma história, diz Mia Couto

O escritor moçambicano Mia Couto apelou hoje à humanização do relato sobre o conflito armado em Cabo Delgado, norte do país, destacando a história...

Rui Pinto e Júdice? “Ladrão que rouba a ladrão tem cem anos de perdão…”

"Já lá diz a sabedoria popular: ladrão que rouba a ladrão tem cem anos de perdão..." Foi desta forma que Ana Gomes reagiu, no Twitter,...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.