- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Guiné-Bissau Bissau: Debate sobre período de transição no centro das atenções

Bissau: Debate sobre período de transição no centro das atenções

D9E0F9D7-4065-401A-A3D1-C48B3E382322_w640_r1_sNa Guiné-Bissau já se instalou o debate em torno do período de transição em curso no país, o qual, segundo o Pacto de Transição Política, deveria durar um ano, ou seja, até Maio de 2013, com a realização de eleições gerais.

Muitas correntes são divergentes. Argumentam e assentam-se nas opiniões que defendem mais três anos do período de transição, outras dizem seis meses, no máximo, enquanto as mais coladas a este contexto advogam cinco anos.
A propósito, o presidente da república de transição, Manuel Serifo Nhamadjo, esteve reunido, este fim-de-semana, com todos os actores políticos e sociais, reunião durante a qual, as vozes confrontaram-se sobre a matéria. Matéria, esta, aliada às movimentações tendentes a uma eventual remodelação governamental, efeito da recente assinatura da Adenda ao Pacto de Transição e do Acordo Político por parte do PAIGC e de algumas formações politicas, por sinal, com representações parlamentares.
Aliás, o parlamento voltou hoje a reunir-se em mais uma sessão ordinária. Entre temas em exposição, está, a discussão e aprovação, por parte dos deputados, do Pacto de Regime, um mecanismo político, que deverá substituir o actual pacto de transição.
A nova disposição, em perspectiva, deve reflectir e inspirar-se ainda no envolvimento de todos os actores políticos e sociais, no actual contexto transitório, enquanto resultado de últimos desenvolvimentos, que visam o regresso à ordem constitucional e democrática.
O Pacto de Regime, que referíamos, contou com a arquitectura da Assembleia Nacional Popular, que também criou uma Comissão Eventual para melhorar os aludidos instrumentos políticos que sustentam a presente transição.
Numa clara jogada de disputa frontal, a nova direcção do PRS, liderada por Alberto Nambeia, lançou a chamada Comissão Multipartidária e Social do Pacto de Transição Política, cujo regulamento de funcionamento, não é nada mais, nada menos que uma nova Assembleia Nacional. Ideia, para já, contestada por algumas correntes políticas, que a consideram da tentativa de usurpação das competências do parlamento, enquanto órgão, o único que goza de legitimidade popular. Por isso é que o presidente em exercício da Assembleia Nacional Popular, Ibraima Sori Djalo, expressou-se contra esta comissão, criada pelo PRS e que está a ter o apoio de algumas formações políticas.
Enfim, analistas políticos guineenses consideram que o propósito de um ano de transição na Guiné-Bissau vai ser um fiasco, pois não se pode falar de uma agenda clara, que deveria conter, por exemplo, a calendarização das etapas do processo eleitoral, das reformas do Estado, incluindo nas forças da defesa e segurança, assim como a conclusão dos processos judiciais ligados aos assassinatos políticos ocorridos no país nos últimos quatro anos.
Perante este contexto, de evidente indefinição o debate político tornou-se mais complexo e sem norte, a menos que as habituais engenharias politicas de ultima hora voltem a falar mais alto. (voaportugues.com)

- Publicidade -
- Publicidade -

Detido falso agente do SIC em Mbanza Kongo

Um cidadão nacional, de 35 anos de idade, que se fazia passar por efectivo do Serviço de Investigação Criminal (SIC), foi detido esta quarta-feira,...
- Publicidade -

Huíla recebe cem toneladas de sementes de milho para campanha

Pelo menos cem toneladas de semente de milho estão disponíveis para primeira fase da Campanha Agrícola 2020/2021, que estão a ser distribuídas em mais...

“Não se concebe que em 45 anos precisemos comprar água de injecções no estrangeiro”

Euclides Sacomboio é docente no Instituto Superior de Ciências da Saúde (ISCISA) na Universidade Agostinho Neto e fala, nesta entrevista, da necessidade de uma...

Ainda sobre os enganos do discurso sobre o Estado da Nação: JLo atribui mais 6,1 mil milhões USD às RIL

ESTATÍSTICAS. Economistas consideram difícil entender lapso do Presidente da República que, ao invés de 9,3 mil milhões de dólares, disse que as Reservas Internacionais...

Notícias relacionadas

Detido falso agente do SIC em Mbanza Kongo

Um cidadão nacional, de 35 anos de idade, que se fazia passar por efectivo do Serviço de Investigação Criminal (SIC), foi detido esta quarta-feira,...

Huíla recebe cem toneladas de sementes de milho para campanha

Pelo menos cem toneladas de semente de milho estão disponíveis para primeira fase da Campanha Agrícola 2020/2021, que estão a ser distribuídas em mais...

“Não se concebe que em 45 anos precisemos comprar água de injecções no estrangeiro”

Euclides Sacomboio é docente no Instituto Superior de Ciências da Saúde (ISCISA) na Universidade Agostinho Neto e fala, nesta entrevista, da necessidade de uma...

Ainda sobre os enganos do discurso sobre o Estado da Nação: JLo atribui mais 6,1 mil milhões USD às RIL

ESTATÍSTICAS. Economistas consideram difícil entender lapso do Presidente da República que, ao invés de 9,3 mil milhões de dólares, disse que as Reservas Internacionais...

Activistas angolanos não cedem: Nova marcha a 11 de Novembro

Activistas culpam o Presidente João Lourenço pelos incidentes de sábado, durante a marcha em Luanda por melhores condições de vida. Segundo os organizadores, duas...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.