- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola Portugal devia investir mais na agricultura e pescas em Angola, considera a...

Portugal devia investir mais na agricultura e pescas em Angola, considera a presidente da Agência de Investimento Privado

0,53e1095d-cfa3-4ecb-a115-a986d4b44987Portugal devia investir mais nos setores da agricultura e pescas em Angola, complementando os investimentos na construção civil, imobiliário e hotelaria, disse à Lusa a presidente do Conselho de Administração da Agência Nacional de Investimento Privado (ANIP).

Em entrevista à Lusa, Maria Luísa Abrantes destacou a agricultura e as pescas, por serem estes os setores em que tradicionalmente os portugueses trabalharam em Angola, a que acresce as necessidades do país nesta área.

“Os portugueses são mais fortes na construção civil e também estão a entrar um pouco para o setor imobiliário e para a hotelaria. Nós gostaríamos de ver, se calhar, Portugal mais envolvido com a agroindústria, com a agricultura, com as pescas, tendo ainda em conta que temos muito interesse e necessitamos de reforçar a nossa pequena e média industria”, disse.

Dos projetos de investimento estrangeiro privado entrados na ANIP, totalizando cerca de 1,5 mil milhões de euros, Portugal figura atualmente como quarto maior investidor estrangeiro em Angola, atrás da China.

Entre 2008 e 2012 o maior número de projetos, 739, veio de Portugal.

A diversificação do investimento estrangeiro vai ao encontro do desejado, mas Angola está deveras interessada é em novos projetos ligados ao agronegócio.

“Angola tem tudo para fazer. E tem estabilidade económica e estabilidade política. Não é apenas um mercado para cerca de 18 milhões de habitantes”, acentua, referindo-se às oportunidades que representam os mercados vizinhos da República Democrática do Congo e Zâmbia, com mais 80 milhões de consumidores.

De momento não está previsto para Portugal nenhum “roadshow” para captação de investimento, mantendo-se o calendário de eventos e apresentações, organizados em colaboração com as embaixadas de Angola na Europa de Leste.

“Temos também convites para (conferências) nos Emiratos Árabes e solicitações de universidades”, acrescentou.

Maria Luísa Abrantes considera, por outro lado, que “não passam de desculpas” as alegações de empresários portugueses quanto às dificuldades por que passam para obterem vistos de trabalho para Angola

“Acho que é uma desculpa, porquanto, normalmente, em qualquer país do mundo para se ter um visto de trabalho não se tem no mesmo dia. Angola até dá um visto privilegiado, dá o privilégio, aos administradores de poderem continuar a laborar com vistos sem serem vistos de trabalho. Só que o visto privilegiado tem um prazo e uma prorrogação única e a partir daí tem que ser um visto de trabalho”, considerou.

Além disso, concluiu, as empresas insistem em trazer os seus trabalhadores com vistos de turismo e só depois tratam de os legalizar, a que acrescem as dificuldades na transferência dos dividendos. (lusa.pt)

- Publicidade -
- Publicidade -

Ana Gomes sobe à custa de Marcelo e Ventura

A candidata da área socialista é cada vez mais a pretendente a Belém com maior margem para impedir uma reeleição retumbante de Marcelo. Ana...
- Publicidade -

Burlas “matam” sonho da casa própria de milhares de famílias

Das dezenas de projectos imobiliários lançados no auge da construção em Luanda, muitos foram parar à barra do tribunal por burlas aos clientes, que...

O tempo e o bom senso (IV)

1 - Há muito que acompanho a trajectória de Jorge Valdano, um argentino com invejável percurso no mundo do futebol (jogador, treinador, dirigente e...

Joana Lina, GPL: “Manifestação foi acto de vandalismo”

Durante a marcha realizada por membros da sociedade civil e apoiada pela UNITA, foram queimadas motas e destruídos contentores de lixo, além do impedimento...

Notícias relacionadas

Ana Gomes sobe à custa de Marcelo e Ventura

A candidata da área socialista é cada vez mais a pretendente a Belém com maior margem para impedir uma reeleição retumbante de Marcelo. Ana...

Burlas “matam” sonho da casa própria de milhares de famílias

Das dezenas de projectos imobiliários lançados no auge da construção em Luanda, muitos foram parar à barra do tribunal por burlas aos clientes, que...

O tempo e o bom senso (IV)

1 - Há muito que acompanho a trajectória de Jorge Valdano, um argentino com invejável percurso no mundo do futebol (jogador, treinador, dirigente e...

Joana Lina, GPL: “Manifestação foi acto de vandalismo”

Durante a marcha realizada por membros da sociedade civil e apoiada pela UNITA, foram queimadas motas e destruídos contentores de lixo, além do impedimento...

Polícia frustra manifestação não autorizada em Luanda

A Policia Nacional frustrou ontem a realização de uma manifestação não autorizada pelas autoridades, por força das medidas restritivas de prevenção e combate à...
- Publicidade -

1 COMENTÁRIO

  1. Muito bem Angola. Invistam tudo o que puderem em infraestrutura, educação básica e secundária, saúde e habitação popular. O resto, deixem que o povo faz bem por meio da iniciativa privada nacional e estrangeira. Assim fizeram os paises mais ricos do mundo. Angola, com seu potencial, pode se tornar tao rica e desenvolvida quanto Australia e Canadá. Pensem grande! Tragam investidores, colonos brasileiros, argentinos, europeus, indianos e chineses. Deem-lhes terras em troca de investimentos. Ofereçam cidadania a quem quiser produzir no país, como o Brasil fez com italianos, alemaes e japoneses 100 anos atras, que transformaram o país numa das maiores potenciais agricolas do mundo. Angola pode repetir esta historia. Com uma agricultura forte, a agroindustria e o setor de serviços vem atras e se desenvolvem sozinhos, gerando empregos, riquezas e espalhando o desenvolvimento. Vejam o que está acontecendo agora no Oeste brasileiro, em estados como Mato Grosso, onde a terra e o clima se parecem com os da Africa – e onde os agricultores eficientes de hoje sao os filhos e netos dos europeus que vieram para o Sul do país no passado (chamem os bisnetos para Angola…). Nao tenham medo de se abrir ao mundo, isto nao os tornará menos angolanos, mas sim angolanos mais desenvolvidos. E invistam bem cada centavo que arrecadarem com o petróleo, pensado no amanha, pois um dia esta riqueza natural acabará! e parabéns por tudo que já fizeram! De um brasileiro que ama Angola e a Africa.

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.