- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola Africanos consideram a raça como factor irrelevante na escolha do novo Papa

Africanos consideram a raça como factor irrelevante na escolha do novo Papa

AA55414E-7953-4910-B5FC-E4DD23898703_w640_r1_s_cx0_cy2_cw0Entre os cardeais que deverão substituir o Papa Bento XVI estão dois proeminentes africanos, ambos originários da África Ocidental e são considerados de candidatos de peso.

África é uma das regiões do mundo onde o catolicismo está em progressão, e muitas pessoas pensam ser altura para um não-europeu e possivelmente um negro assumir as rédeas da Igreja Católica.

Para muitos católicos africanos a origem do Papa ou seja a sua raça é menos importante, e o que importa é somente a sua convicção em dirigir a Igreja.

Mesmo em 2005 quando o Papa Bento XVI foi eleito, o Cardeal Francis Arinze da Nigéria já era visto como um possível sucessor de João Paulo II. Arinze tem actualmente 80 anos e é ainda considerado como um candidato consistente, assim como o seu colega o Cardeal Peter Kodwo Appiah Turkson de 64 anos do Gana.

As últimas projecções do Vaticano mostram que entre 2009 e 2010 na maior dos continentes o número de crentes católicos no mundo caiu, a excepção de África e do Sudeste da Ásia. O número de seminários também baixou na Europa e Américas, mas aumentou na Ásia e na África.

A resignação do Papa Bento XVI levantou com isso uma nova questão se era tempo para um Papa não-europeu, particularmente um negro africano, depois de séculos de Papados Europeus e maioritariamente de origem italiana. Mas os católicos no Senegal e Gana vêem a questão da raça como irrelevante.

Gabriel Charles Palmer-Buckle é arcebispo de Acra na capital do Gana.

“Para nós na Igreja Católica isto não tem importância e não deveria ter. O mundo católico quer dizer que todas as culturas, todas as raças, todos os povos estão unidos num só corpo, portanto isto não deve ser importante se a pessoa é negra, branca ou amarela.”

O Cardeal Théodore Adrien Sarr, arcebispo de Dakar, vai estar entre os cardinais que deverão eleger o novo Papa. Falando aos jornalistas na Segunda-feira, ele disse que não é a origem étnica do Sumo pontífice que conta, mas sim a sua força e convicção em liderar a Igreja.

O Cardeal Adrien Sarr acrescentou no entanto ter dúvidas de que chegou o momento para um Papa africano.

“Há muito tempo que vem analisando esta questão no meu íntimo. Estaria a Igreja Católica preparada para um líder africano? Estará o mundo pronto para um Papa negro? Tenho as minhas dúvidas.”

O Cardeal Théodore Adrien Sarr acrescentou que o mais importante é saber se o novo Papa será capaz de ajudar a todos a aumentar a fé e se será forte para reforçar a comunidade católica.

Na segunda assembleia extraordinária dos Bispos em África em 2009, o Papa Bento XVI falou acerca do papel da igreja numa altura que o continente enfrenta o fundamentalismo religioso, a pobreza, injustiça e guerra. Bento XVI disse ainda que uma parte da acção da igreja é apelar para a reconciliação de diferentes etnias, línguas e grupos religiosos.

O Papa Bento XVI abandona o cargo no dia 28 de Fevereiro. Os Cardeais vindos de todas as regiões do mundo deverão reunir-se no dia seguinte para dar início ao processo eleição do novo Papa. (voaportugues.com)

- Publicidade -
- Publicidade -

Russomanno tem carros e imóveis bloqueados pela Justiça desde 2016

Candidato à Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno (Republicanos) está com dois carros e um imóvel em Itanhaém, cidade do litoral paulista, penhorados pela...
- Publicidade -

Prémio Sakharov entregue à oposição bielorrussa

A oposição democrática bielorrussa recebeu esta quinta-feira o prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento de 2020. Isabel Santos, eurodeputada socialista e coordenadora dos...

Suicídios estão cada vez mais presentes no nosso dia-a-dia

Em Angola foram registados, de 2018 até ao primeiro semestre deste ano, 1.984 suicídios, por razões diversas. A província de Luanda, com 826 casos,...

Bastos assina pelo Al-Ain FC da Arábia Saudita

O internacional angolano Bastos Quissanga vinculou-se ao Al-Ain Saudi Football Club da primeira divisão de futebol da Arábia Saudita, cedido, em definitivo, pela Lázio...

Notícias relacionadas

Russomanno tem carros e imóveis bloqueados pela Justiça desde 2016

Candidato à Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno (Republicanos) está com dois carros e um imóvel em Itanhaém, cidade do litoral paulista, penhorados pela...

Prémio Sakharov entregue à oposição bielorrussa

A oposição democrática bielorrussa recebeu esta quinta-feira o prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento de 2020. Isabel Santos, eurodeputada socialista e coordenadora dos...

Suicídios estão cada vez mais presentes no nosso dia-a-dia

Em Angola foram registados, de 2018 até ao primeiro semestre deste ano, 1.984 suicídios, por razões diversas. A província de Luanda, com 826 casos,...

Bastos assina pelo Al-Ain FC da Arábia Saudita

O internacional angolano Bastos Quissanga vinculou-se ao Al-Ain Saudi Football Club da primeira divisão de futebol da Arábia Saudita, cedido, em definitivo, pela Lázio...

Crise no Bernabéu: Real Madrid já tem dois nomes para suceder a Zidane

O Real Madrid agudizou a crise de resultados, na última quarta-feira à noite, após perder, por 2-3, diante do Shakhtar Donetsk de Luís Castro,...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.