- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Cultura Grupos de Luanda com dificuldades em saírem à rua

Grupos de Luanda com dificuldades em saírem à rua

Muitos grupos carnavalescos da província de Luanda não saem à rua para vibrar com a sua comunidade (antes e depois do desfile competitivo), a exemplo dos anos anteriores, devido aos constrangimentos que se registam em Luanda, entre os quais a quase ausência de largos e ruelas nos bairros.
Segundo o secretário-geral da Associação Provincial do Carnaval de Luanda (Aprocal), António de Oliveira “Delón”, além da ausência de largos e ruelas, o crescente fenómeno da delinquência e a falta de luz também são um empecilho, tal como o facto de os grupos, nas décadas anteriores, como no período colonial, não terem tido mais de 40 a 50 elementos.
“Hoje, há grupos com 300 a 500 pessoas. Onde é que este grupo vai desfilar, se não podemos fechar o trânsito por causa do Carnaval de rua?”, questionou.
Por isso, está a ser feito um estudo cuidadoso sobre este Carnaval de rua, para se ver onde e como os grupos actuais podem desfilar, mas sem incluir todos os elementos do colectivo. No entanto, António de Oliveira referiu que alguns grupos têm estado nas ruas a dançar nas vésperas do Carnaval, como é o caso dos colectivos carnavalescos dos distritos do Rangel, Sambizanga, Maianga e Kilamba Kiaxi.
“Falta também aquela envolvência grande nos bailes destes grupos carnavalescos na rua. Precisa-se de uma massificação daquilo que é denominado, efectivamente, Carnaval de rua. Mas, pelo desenvolvimento que o país está a atravessar, acho que os empecilhos vão poder ser contornados”, salientou.
Os desfiles do Carnaval 2013, na Nova Marginal de Luanda, decorrem este ano nos dias 9, 10 e 12 de Fevereiro, sendo que, no primeiro dia desfila a Classe Infantil, no segundo a Classe B (adultos) e no último dia acontece o desfile central (adultos).

Milhões em preparativos

A Comissão Provincial do Carnaval de Luanda empregou 120 milhões de kwanzas para a execução das tarefas inerentes à realização da maior manifestação cultural do país, como a preparação do palco e prémios.
Segundo fonte da organização, que ontem avançou a informação à Angop, para os grupos da classe infantil coube, a cada um, o valor de 300 mil kwanzas, enquanto os colectivos da categoria B (adulto) tiveram direito a 500 mil kwanzas cada um. Para os grupos da classe A (adulto) a comissão reservou, para cada um deles, o valor de 700 mil kwanzas.
“São 39 grupos que vão desfilar este ano na Nova Marginal de Luanda, sendo 12 da classe Infantil, 14 na categoria B (adulto) e 13 na classe A (adulto). Este valor é, no entanto, insuficiente para que os grupos possam preparar-se condignamente, razão pela qual temos aconselhado os seus responsáveis no sentido de cativarem patrocínios de empresários nos locais onde estão inseridos. A comissão ajuda no que pode e os grupos devem buscar outras fontes de receitas que os ajudem a melhor se prepararem para a festa”, esclareceu. Tudo está a ser feito no sentido de se proporcionar uma grande festa durante os três dias de actividade e a Comissão convida todos os munícipes de Luanda a participarem.
O grupo carnavalesco União Jovens da Cacimba, do distrito urbano da Maianga, é o detentor de títulos nas categorias de infantil e classe A (adulto).

Desempenho no Huambo

A chefe de repartição para a Área Social da Administração do Cachiungo, a cerca de 62 quilómetros a leste da cidade do Huambo, Ana Maria Carreiro, augurou ontem, nesta vila, o melhor desempenho dos grupos carnavalescos na fase do desfile provincial, de forma a dignificar as populações da área de jurisdição. Ana Maria Carreiro falava no final do desfile do Carnaval da fase municipal, onde desfilaram apenas dois grupos de adultos e três infantis, que a seu ver apresentaram boas coreografias, tendo em conta as capacidades financeiras de cada um deles.
“Os dois grupos que se apuraram para a fase provincial estiveram à altura de convencer os jurados, por terem apresentado as melhores danças e canções sobre o quotidiano. Agora, com o apoio da Direcção Provincial da Cultura a que têm direito, vão estar entre os três melhores classificados”, vaticinou.

Rei destaca cultura

O papel do Carnaval na preservação, valorização e divulgação da cultura foi destacada, ontem, pelo rei do município do Huambo, Filipe José Moci, que testemunhou o desfile dos grupos carnavalescos da fase municipal.
Filipe José Moci realçou que a valorização da cultura passa por actividades do género, que junta pessoas de diversas regiões do município sede. Louvou ainda a parte organizativa da fase municipal do Carnaval, pela excelente forma como decorreu a actividade, cuja missão é manter vivas as tradições culturais e a participação massiva dos cidadãos na maior festa popular. O rei aconselhou ainda os elementos dos grupos carnavalescos a primarem pela qualidade e organização. Na fase municipal do Carnaval foi consagrado o grupo Esandju Liowiñgi, na classe dos adultos, e Rainha Njinga Mbande, na classe infantil. (jornaldeangola.com)
 

- Publicidade -
- Publicidade -

Ana Gomes sobe à custa de Marcelo e Ventura

A candidata da área socialista é cada vez mais a pretendente a Belém com maior margem para impedir uma reeleição retumbante de Marcelo. Ana...
- Publicidade -

Burlas “matam” sonho da casa própria de milhares de famílias

Das dezenas de projectos imobiliários lançados no auge da construção em Luanda, muitos foram parar à barra do tribunal por burlas aos clientes, que...

O tempo e o bom senso (IV)

1 - Há muito que acompanho a trajectória de Jorge Valdano, um argentino com invejável percurso no mundo do futebol (jogador, treinador, dirigente e...

Joana Lina, GPL: “Manifestação foi acto de vandalismo”

Durante a marcha realizada por membros da sociedade civil e apoiada pela UNITA, foram queimadas motas e destruídos contentores de lixo, além do impedimento...

Notícias relacionadas

Ana Gomes sobe à custa de Marcelo e Ventura

A candidata da área socialista é cada vez mais a pretendente a Belém com maior margem para impedir uma reeleição retumbante de Marcelo. Ana...

Burlas “matam” sonho da casa própria de milhares de famílias

Das dezenas de projectos imobiliários lançados no auge da construção em Luanda, muitos foram parar à barra do tribunal por burlas aos clientes, que...

O tempo e o bom senso (IV)

1 - Há muito que acompanho a trajectória de Jorge Valdano, um argentino com invejável percurso no mundo do futebol (jogador, treinador, dirigente e...

Joana Lina, GPL: “Manifestação foi acto de vandalismo”

Durante a marcha realizada por membros da sociedade civil e apoiada pela UNITA, foram queimadas motas e destruídos contentores de lixo, além do impedimento...

Polícia frustra manifestação não autorizada em Luanda

A Policia Nacional frustrou ontem a realização de uma manifestação não autorizada pelas autoridades, por força das medidas restritivas de prevenção e combate à...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.