Portal de Angola
Informação ao minuto

Manifestação de ex-militares no Lubango dispersada pela polícia, que fez pelo menos 10 detenções

Uma manifestação de ex-militares angolanos no Lubango, centro sul de Angola, foi dispersada à bastonada hoje de manhã pela Polícia de Intervenção Rápida, que efetuou nove detenções, disse à Lusa fonte da organização do protesto.

A iniciativa da manifestação partiu do Fórum Independente dos Desmobilizados de Guerra de Angla (FIDEGA), presidido pelo coronel na reforma Nunes Manuel.

Contactado telefonicamente pela Lusa a partir de Luanda, Nunes Manuel disse que a manifestação visava protestar contra o “incumprimento por parte do Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas (FAA) do envio de uma comissão em julho para avaliar a situação dos 16 mil desmobilizados que continuam por receber os seus subsídios desde 1992, há 20 anos”.

Porta-voz da polícia desmente detenções

O porta-voz do Comando Provincial da Polícia Nacional na Huíla, superintendente-chefe Paiva Tomás, desmentiu em declarações à Lusa que tenham sido feitas detenções na manifestação de hoje de manhã no Lubango.

“Até à hora a que saí do Comando, pelas 09:30, não foi feita nenhuma detenção e nem se pode falar numa manifestação”, disse aquele oficial da polícia.

O superintendente-chefe Tomás Paiva acrescentou que a manifestação “não estava autorizada” e que eram as únicas informações que tinha disponíveis.

Segundo o presidente do Fórum Independente dos Desmobilizados de Guerra de Angla (FIDEGA), coronel na reforma Nunes Manuel, a intenção de realizar a manifestação foi feita em tempo útil para o Comando Provincial da Polícia e Governo Provincial da Huíla, não tendo sido recebida nenhuma indicação de não autorização do protesto.

Ainda segundo Nunes Manuel, pelo menos nove pessoas foram detidas logo no início da concentração, no Largo João de Almeida, e os restantes manifestantes foram dispersados por efetivos da Polícia de Intervenção Rápida, que contaram com o apoio de elementos trajando à civil, que o presidente da FIDEGA presume pertencerem à corporação.

FONTE: Lusa

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »