Saída da Grécia da Zona Euro “é possível e já não assusta”

O ministro alemão da Economia, Phillip Rösler, considerou ontem, em entrevista à televisão pública ARD, ser “possível” uma saída da Grécia da Zona Euro, um cenário que “deixou de ser assustador há muito tempo”.

“É evidente que Atenas não tem registado progressos no cumprimento do plano de reformas acordado com a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional”, disse Rösler, que é também vice-chanceler e chefe do Partido Liberal. Por isso, acrescentou o ministro germânico, “se a Grécia não cumprir as condições que negociou, não poderá receber mais pagamentos”, disse ainda o chefe do Partido Liberal.

“Entretanto, muitos gregos querem voltar a ter o dracma como moeda nacional”, sublinhou ainda o ministro da economia do Governo de Angela Merkel.

O semanário Der Spiegel noticiou hoje que o Fundo Monetário Internacional (FMI) tenciona cessar as ajudas financeiras à Grécia, o que poderá lançar este país da zona euro na falência já em Setembro.

A intenção do FMI de não libertar mais dinheiro para o programa de ajustamento financeiro negociado com Atenas já foi comunicada à União Europeia, garantiu a revista alemã, citando fontes diplomáticas em Bruxelas.

Actualmente, a chamada ‘troika’ do Banco Central Europeu (BCE), Comissão Europeia e FMI está em Atenas a examinar o cumprimento do memorando de entendimento.

Numerosos especialistas já advertiram, porém, que a Grécia não conseguirá reduzir a sua dívida pública a 120 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) até 2020, objectivo central do programa traçado para reequilibrar as suas finanças públicas.

Atenas obteve até agora, desde maio de 2010, dois resgates no total de 240 mil milhões de euros, além de um perdão superior a 50 por cento da dívida por parte da grande maioria dos credores, mas a situação económica do país continua a ser muito crítica.

Se a Grécia obtiver mais tempo para cumprir o programa de ajustamento financeiro, como o novo governo de Antonis Samaras exige, isso custará à UE e ao FMI mais 50 mil milhões de euros, segundo cálculos da ‘troika’ citados pelo Der Spiegel.

Porém, muitos governos da zona euro não estão dispostos a emprestar mais dinheiro a Atenas, e a Finlândia e a Holanda condicionaram futuras ajudas à participação do FMI.

FONTE: Jornal de Negócios

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »