Fotografias de Rosa Reis em exposição em Luanda

Mais de 70 fotos que retratam o mundo do jazz, denominada “Jazz: as sobras e a luz”, da fotógrafa portuguesa Rosa Reis estão patentes ao público luandense desde sexta-feira, no Instituto Camões, Centro Cultural Português, em Luanda.
A mostra comporta, entre outras, imagens de grandes nomes sonantes do Jazz, como  Mário Lazino (Estoril Jazz 2011), Billy Hart (Cultugest 2010), Kirk Lightsey (Centro Cultural de Belém), Melba Jyce (Estoril Jazz 2005), Reggie Workman (Estoril Jazz 2010), Eric Kman (Estoril Jazz 2007) e Mimi Jones (Estoril Jazz 2011).
Imagens de Jimmy Cobb (Cascais 2009), Maria João (Seixal 2009), Carlos Barretto (Seixal Jazz 2010), Michael Brave (Seixal Jazz 2009) e Cindy Blackman (Seixal Jazz 2008) estão igualmente patentes.
Rosa Reis disse que a exposição tem uma grande importância na sua vida, porque o continente africano tem tudo a ver com o jazz. Segundo a fotógrafa, é uma história africana que a impulsionou a trazer a mostra a Angola, um país que nos últimos tempos está a cultivar o jazz da melhor forma.
Rosa Reis confessou que não pensou que teria grande adesão do público por ser a primeira vez a expor em Angola, tendo salientado que antes fez uma pesquisa sobre o local onde vai expor e chegou à conclusão que é um sítio fantástico.
Rosa Reis disse que Angola está em progressão, com uma rica cultura que desperta muito interesse logo à primeira vista. “Estou a gostar do país porque o angolano tem uma dignidade muito forte por manter ainda os seus hábitos e costumes.”
Jerónimo Belo, promotor da iniciativa, frisou que a exposição significa uma oportunidade especial para conviver com os rostos que fazem a grandeza do jazz, uma arte que é importante conhecer, estudar e divulgar.

Belo revelou que o jazz é uma arte que tem uma forte componente africana e que marcou a luta dos “nossos” ancestrais que se bateram para as independências em África, tendo acrescentado que “a poesia está cheia de jazz”.
Jerónimo Belo, questionado sobre a aceitação do jazz, respondeu que o jazz caminha para um estatuto de maior dignidade, faltando ainda percorrer um grande caminho por carecer de apoios oficiais.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »