InicioMundo LusófonoMoçambiqueRiqueza conquista-se, não se pede – Guebuza

Riqueza conquista-se, não se pede – Guebuza

O Presidente Armando Guebuza, reiterou hoje, em Inhassoro, província meridional de Inhambane, que a pobreza que afecta o país só será vencida com a unidade nacional, associada ao trabalho árduo e determinado de cada moçambicano.

Falando em conferência de imprensa, no fim da Presidência Aberta e Inclusiva a província de Inhambane, Guebuza sublinhou que a riqueza conquista-se e não se obtém através de pedidos.

“Eu acredito que para podermos vencer a pobreza, temos que reforçar o nosso sentido de fraternidade e unidade moçambicana, valorizar os talentos, as capacidades e habilidades de cada cidadão e, naturalmente, compreendermos que só podemos alcançar isso se ligarmos esses valores ao trabalho afinco e determinado”, disse Guebuza, sublinhando que “a riqueza conquista-se, não se pede”.

Durante a sua visita a província de Inhambane, Guebuza escalou as localidades de Urene, Dongane, Lionzuane e Cometela, nos distritos de Panda, Inharrime, Massinga e Inhassoro, onde enfatizou a necessidade de todos os moçambicanos se empenharem na luta contra a pobreza, cada um fazendo a sua parte.

Nos seus discursos, Guebuza admitiu que apesar dos progressos registados pelo país, desde a independência nacional, proclamada em 1975, ainda existem muitos moçambicanos sem acesso a bens e serviços básicos e, por isso, o combate a pobreza será longa.

Por seu turno, a população da província de Inhambane apresentou varias preocupações, na sua maioria relacionadas com diversas áreas de desenvolvimento, incluindo construção de estradas, salas de aula melhoradas, acesso a rede de telefonia móvel, e o impacto do Fundo de Desenvolvimento Distrital (FDD), vulgo “Sete Milhões”.

“Ouvimos várias intervenções que, de uma maneira geral, procuram responder as preocupações relacionadas ao desenvolvimento que não são exclusivas a Inhambane, mas abrangem todo o país”, disse Guebuza.

“Há certas questões como problema de escolas, cuja maioria agora é de material precário…. São problemas que já vêm de há muito tempo e agora acredito que vão ter um outro ritmo na procura de serem ultrapassados”, frisou o estadista moçambicano.

Ainda no seu contacto com a imprensa, Guebuza disse ter terminado a sua visita a Inhambane convencido de que a província está na rota do desenvolvimento e está convicto de que as autoridades locais irão trabalhar no sentido de resolver as dificuldades existentes.

Contudo, nem todas as questões apresentadas pela população terão satisfação imediata, tal é o caso da estrada Massinga/Funhalouro, que, segundo o Chefe do Estado, ainda não existem fundos para a sua asfaltagem a “breve trecho”.

Igualmente, ainda não há resposta para a preocupação da população quanto a continuação da atribuição do fundo dos ‘Sete Milhões” aos distritos, mesmo depois do fim do mandato do Presidente Guebuza, em 2014.

O facto é que o fundo foi criado por Armando Guebuza para financiar iniciativas destinadas a geração de emprego e produção de comida em cada um dos 128 distritos do país. Questionado se haveria possibilidade de continuação deste fundo mesmo depois de 2014, Guebuza disse que a responsabilidade é do seu mandato.

Fonte: RM/AIM

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.