InicioCiências e TecnologiaO cerco aperta-se ao “Twitter chinês”

O cerco aperta-se ao “Twitter chinês”

A Weibo, a maior rede de microblogging da China, o equivalente ao Twitter no país, introduziu um novo código de conduta que restringe o tipo de mensagens que podem ser publicadas online. Os analistas consideram que se trata de mais uma manobra de censura de Pequim à actividade dos internautas chineses.

A Weibo – muito popular no país, com 300 milhões de utilizadores registados – decidiu levar a cabo esta medida depois de as autoridades terem criticado a difusão de “rumores infundados” naquela plataforma.

Os analistas consideram que quem está por detrás desta medida não é tanto a empresa que detém a Weibo, a Sina, mas antes o regime de Pequim. O blogue Tech in Asia, citado pela BBC, escreve que os novos regulamentos foram beber directamente à lei chinesa e são mais uma forma de censura dos internautas.

Assim, ficam a partir de agora proibidos quaisquer posts e mensagens que espalhem rumores, publiquem informação falsa, ataquem outras pessoas com insultos ou comentários caluniosos, se oponham aos princípios básicos da Constituição chinesa, revelem segredos de Estado, ameacem a honra da China, promovam cultos ou superstições e apelem a protestos ilegais ou mobilizem as massas.

A Sina introduziu igualmente uma outra característica nesta rede: o funcionamento por pontos. Toda a gente começará, alegadamente, com 80 pontos e os prevaricadores vão perdendo valores. Se os pontos descerem abaixo dos 60, os utilizadores serão avisados desse facto. Se chegarem a zero, os internautas poderão ver as suas contas serem canceladas.

“Este é um sinal de que as autoridades estão a tentar restringir os internautas na China, mas haverá sempre um núcleo duro de pessoas que conseguirá dar a volta às restrições”, disse à BBC Kerry Brown, do think tank Chatham House. “Há uma tradição de crítica indirecta na qual as pessoas usam referências codificadas. Duvido muito que estas regras mudem alguma coisa”.

Estas mudanças foram inicialmente reportadas aos media ocidentais por um grupo anónimo de voluntários que se dispôs a traduzir as novas regras, que acabaram por ser publicadas no blogue The Next Web.

Um comité de peritos do Weibo ficará responsável por monitorizar a actividade dos utilizadores.

Fonte: PUBLICO

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.