InicioMundo LusófonoMarcelo prevê Relvas "semi-morto" mesmo que não se demita do Governo

Marcelo prevê Relvas “semi-morto” mesmo que não se demita do Governo

Para o comentador e ex-presidente do PSD, Marcelo Rebelo de Sousa, o caso das escutas envolvendo o ministro dos Assuntos Parlamentares representa uma “fragilização terrível, no mínimo, para Miguel Relvas”. Uma “semana negra para Miguel Relvas, também para o primeiro-ministro e para o Governo”.

Ao avaliar o ano de Governo de Pedro Passos Coelho, o ex-líder do PSD chamou ao ministro dos Assuntos Parlamentares de o “berbicacho número um do Governo”.

Na análise feita na estação televisiva TVI, o social-democrata concluiu que mesmo que não se demita ou acabe demitido, Relvas “continuará mas num estado semi-morto”, em termos políticos.

“Tudo isto é muito complicado”, começou por dizer o comentador antes de sustentar que só “restaria sair” a Relvas caso se provassem as acusações que sobre ele recaem.

Em causa estão a ameaça feita num telefonema à editora de política do PÚBLICO à jornalista que cobre o caso das escutas, e as suspeitas sobre as contradições em relação ao seu relacionamento com o ex-director do SIED e antigo quadro da Ongoing, Jorge Silva Carvalho.

” Se se provar que Miguel Relvas falou da vida privada de uma jornalista ou se provar que ele conhecia Silva Carvalho mais do que disse conhecer no parlamento, só lhe resta sair ou ser convidado a sair.”

Ao falar sobre a possibilidade de uma remodelação, o ex-presidente social-democrata, embora reconhecendo que deixar cair Relvas teria um preço,a sua continuação o deixaria semi-morto.

“Eu diria que não chega a ser semi-morto, mas vai a caminho disso. Como é que um ministro da comunicação social pode fazer a privatização da RTP sem suspeição depois destes episódios todos infelizes. É uma fragilização terrível no mínimo para Miguel Relvas.”

Marcelo Rebelo de Sousa disse ainda que Passos Coelho cometeu um erro ao ter nomeado Miguel Relvas para número dois do Governo: “[O primeiro-ministro] devia ter continuado secretário-geral do PSD e procurado outra pessoa para coordenar politicamente o Governo.”

Já no que diz respeito ao relatório sobre Francisco Pinto Balsemão feito por Silva Carvalho para a empresa Ongoing, o antigo presidente do PSD considerou-o “um acervo de disparates que roça o ridículo e sem o mínimo de fundamento, mas grave” por haver “empresas privadas com serviços secretos a investigar privados”. “É uma coisa do outro mundo.”

Fonte: PUBLICO

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.