InicioMundo LusófonoGuiné-BissauCrise em Bissau longe de acordo

Crise em Bissau longe de acordo

Embaixadores acreditados na Guiné-Bissau e representantes de organizações internacionais, como CEDEAO, Nações Unidas e CPLP, não conseguiram adicionar algo de novo e positivo ao processo de superação da crise política no país, apesar de apreciarem o assunto durante três horas em Bissau.
O porta-voz das Nações Unidas, Vladimir Monteiro, informou, através de um comunicado, que o encontro foi frutuoso, não dando hipóteses a perguntas dos jornalistas. A reunião foi convocada pelo representante especial do secretário-geral das  Nações Unidas em Bissau, Joseph Mutaboba, com o propósito de analisar a situação no país à luz da resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas, aprovada a 18 de Maio.
A resolução, lembrou o porta-voz Vladimir Monteiro, pede ao secretário-geral das Nações Unidas para que se mantenha activamente envolvido no processo de mediação e que harmonize posições dos parceiros bilaterais e multilaterais, em particular a União Africana, a CEDEAO e CPLP.
“O objectivo é desenvolver uma estratégia integrada e abrangente, com medidas claras, destinada a implementar a reforma do sector da Defesa e Segurança”, disse o porta-voz das Nações Unidas.
Monteiro acrescentou que o esforço persegue igualmente reformas políticas e económicas e o combate ao narcotráfico e à impunidade na Guiné-Bissau. Esses pontos, segundo Vladimir Monteiro, foram alvo de discussões frutuosas e os participantes concordaram em manter-se envolvidos com vista à normalização da situação política e socioeconómica no país, no quadro da resolução da ONU de 18 de Maio. No âmbito do encontro, no qual também participou o secretário executivo da CPLP, Domingos Simões Pereira, um grupo de elementos da FRENAGOLPE (partidos e organizações contra o golpe de Estado na Guiné-Bissau) esteve no local para entregar a Joseph Mutaboba uma carta de protesto pela actual situação do país.  No local do encontro, compareceram também elementos da Guarda Nacional, que procuraram dispersar o pequeno grupo. A situação manteve-se tranquila, mas viveu-se momentos de grande tensão depois, com a chegada de mais militares à zona aonde decorreu a reunião com a CEDEAO, ONU e CPLP.
Pelo menos um dos elementos da FRENAGOLPE foi espancado pelos militares, à porta do edifício das Nações Unidas, onde procurou refúgio, mas foi impedido de entrar. Depois de alguns gritos e discussão entre militares e Guarda Nacional os primeiros acabaram por se retirar. Pouco depois, também a Guarda deixou o local, e de seguida os elementos da FRENAGOLPE (incluindo o agredido, que saiu pelo seu próprio pé).
Na terça-feira, em conferência de imprensa, o Comando Militar, autor do golpe de Estado do dia 12 de Abril na Guiné-Bissau, garantiu que a partir dessa altura os militares voltavam para os quartéis.

Fonte: JA

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.