InicioAngola"Tem que haver instituições legítimas" - Sousa Jamba

“Tem que haver instituições legítimas” – Sousa Jamba

Os angolanos estão num processo de aprendizagem da democracia que “vai levar tempo” mas que está avançar, disse o escritor e jornalistas angolano Sousa Jamba na última edição do “Angola Fala Só”.

Angola, disse ele, “ é como um comboio com vagões e dentro desse comboio os vagões podem estar nos vagões da frente e serem forçados a irem para os vagões detrás e é isso que às vezes tem acontecido”.

“Em todo o caso estamos todos no comboio,” disse.

“O continente africano é um comboio que vai para um destino  ligado em termos de governação à transparência, a cultura de prestação de contas e o respeito dos direitos humanos,” acrescentou.

Os ouvintes que dialogaram com Sousa Jamba telefonaram de vários pontos de Angola e as suas perguntas estiveram em grande parte relacionadas com o jornalismo e a liberdade de imprensa em Angola.

Para Sousa jamba o jornalismo em Angola e no mundo está a mudar mas continua a necessitar do mínimo de “integridade intelectual, ser altamente curioso” e ter a capacidade de abordar várias questões.

“Em termos das novas tecnologias vai haver ( em Angola) várias possibilidades,” disse Sousa Jamba que disse que ele pessoalmente nunca se tinha sentido restringido nos comentários que escreve para um jornal angolano.

Houve também perguntas sobre o estado da democracia em Angola e Sousa Jamba opinou que “tanto o MPLA como a UNITA estão a aprender”.

“Ninguém é mais democrata que o outro,” disse apelando a uma maior “humildade” por parte dos intervenientes na política angolana.
Sousa jamba disse que o futuro da democracia em Angola vai depender da existência de “instituições legítimas” para que possa haver “um mínimo de confiança no sistema”.

Fonte: VOA

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.