InicioAngolaSumbe e Porto Amboim têm energia de qualidade

Sumbe e Porto Amboim têm energia de qualidade

As cidades do Sumbe e Porto Amboim, na província do Kwanza-Sul, têm, desde ontem, maior disponibilidade e qualidade de energia eléctrica, com a inauguração, pelo ministro de Estado e da Coordenação Económica, de duas subestações no bairro Alto Chingo (Sumbe) e Casua (Porto Amboim).
Os dois empreendimentos ficaram orçados em 62,3 milhões de euros e passam a abastecer empresas e habitações. As obras, que estiveram a cargo da Isolux Engenharia, geraram emprego directo a 350 angolanos e 120 estrangeiros. Outras 200 pessoas beneficiaram de emprego indirecto.
As subestações funcionavam já em regime experimental desde Dezembro do ano passado. Depois da inauguração, Manuel Vicente disse que os empreendimentos, equipados com tecnologia avançada, contribuem para o desenvolvimento económico e social da província. Apesar do progresso verificado, o membro do Governo admitiu que a produção e distribuição de energia devem ser melhoradas.
“Se olharmos para o passado, devemos acreditar que estamos no bom caminho e hoje alcançámos uma grande conquista. Se nos perguntarem que é tudo, eu diria que não. Olhando para as potencialidades que a província tem, muito ainda há por fazer”, disse, acrescentando que a rede de baixa tensão precisa de ser melhorada, pois há outros investimentos em curso que também vão precisar de energia.
O ministro assegurou que o Executivo vai continuar a trabalhar no sentido de aumentar as capacidades energéticas. A título de exemplo, só no Porto Amboim o número de consumidores de energia subiu de três mil, em Dezembro passado, para cinco mil.
O ministro de Estado Manuel Vicente agradeceu o esforço dos técnicos que estiveram envolvidos nas obras e pediu aos clientes que paguem a energia consumida.

Outros projectos

O ministro da Energia e Águas, João Baptista Borges, que testemunhou as inaugurações, falou de outros projectos em carteira para o Kwanza-Sul. Um dos projectos, disse, consiste em levar a corrente eléctrica ao Wako-Kungo e Kibala, e reforçar o fornecimento para o Sumbe, a partir da subestação ontem inaugurada (Alto Chingo), tendo em conta o aumento do número de consumidores.
Esse reforço, acrescentou, tem como objectivo também servir a fábrica de descaroçamento de algodão localizada no Sumbe. Ainda para a província do Kwanza-Sul, esclareceu que o grande objectivo do sector é atender, numa primeira fase, à demanda de consumo das cidades e, posteriormente, no âmbito da electrificação rural, servir também as pequenas localidades.
João Baptista Borges admitiu também a construção de pequenas barragens e lembrou que existia no vale do Longa, na zona do Wako-Kungo, uma mini-hídrica que deve ser reabilitada nos próximos tempos. No entanto esclareceu que o fornecimento de energia ao Kwanza-Sul vai ser, sobretudo, efectuado a partir da barragem de Cambambe, devido à sua grande capacidade hidroeléctrica.
Os actos de inauguração das duas subestações, que receberam a bênção do bispo da diocese do Sumbe, D. Benedito Roberto, foram testemunhados pelo governador Serafim do Prado, por membros do governo local e de partidos políticos, autoridades tradicionais e população.
O governador da província do Kwanza-Sul, Serafim do Prado, disse ontem que a inauguração das subestações do Sumbe e Porto Amboim, constitui o virar da página de um período de muitas dificuldades para a bonança.  Serafim do Prado reconheceu que as inaugurações põem fim ao sofrimento de muitas famílias e até de empresários, cujos negócios não resultaram por falta de corrente eléctrica de qualidade. Garantiu que a entrada em funcionamento das duas subestações vai catapultar a província do Kwanza-Sul para patamares mais altos nas componentes económicas e sociais.

Os  dias de bonança

“A inauguração das subestações constitui um ganho acrescido porque vai poupar os custos dos grupos geradores com combustíveis e lubrificantes, como também dinamizar a actividade industrial nas duas cidades”, disse.
Sobre a cidade de Porto Amboim, Serafim do Prado disse estarem renovadas as esperanças dos empresários ligados às pescas que se viam a braços com muitas dificuldades no capítulo de conservação e comercialização do pescado.
Para o director da Empresa Nacional de Electricidade (ENE), Rosário deAlmeida, a inauguração das subestações do Sumbe e Porto Amboim, traduz a oferta da energia eléctrica de qualidade aos cidadãos, tendo afirmado que o aumento de 30 KV para 60 KV justifica isso mesmo. Com a entrada em funcionamento das subestações, acrescentou, o fornecimento vai abranger cinco mil lares na cidade de Porto Amboim e 12 mil no Sumbe. Rosário de Almeida garantiu que a capacidade instalada nas subestações do Sumbe e Porto Amboim é para atender 32 mil famílias.

Optimismo dos empresários

A inauguração das subestações do Sumbe e de Porto Amboim foi considerada pelos empresários uma oportunidade para a criação de mais unidades fabris e, ao mesmo tempo, o fomento do emprego.
José Francisco é empresário do ramo do comércio, na cidade de Porto Amboim. Disse ao Jornal de Angola que a nova subestação vai proporcionar uma melhor prestação por parte dos empresários, principalmente na componente de serviços. “No passado, enfrentámos dificuldades de vária ordem e, com a entrada em funcionamento da nova subestação, estou certo que tudo vai melhorar”, afirmou, com optimismo, o empresário.
Maria Deolinda Magalhães, empresária do sector das pescas, também ficou satisfeita com a inauguração do empreendimento e diz que o seu negócio vai crescer com a introdução da componente dos frios. “Estou satisfeita porque vou instalar um frigorífico para a conservação do pescado”, frisou.

*com Casimiro José

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.