InicioCulturaMÚSICOS ANGOLANOS DOS ANOS 60- Duo Ouro Negro

MÚSICOS ANGOLANOS DOS ANOS 60- Duo Ouro Negro

Duo Ouro Negro – Blackground II (LP Orfeu DASPEAT 401 – estéreo – 1981)

Começaram por se chamar “Ouro Negro”. O nome, sugerido pela locutora Maria Lucília Dias (Rádio Clube do Congo Português), designava localmente tudo o que fosse excepcional. O projecto centrava-se no folclore angolano de várias etnias e línguas.

Após várias apresentações em Luanda conseguem vir actuar a Lisboa, por intermédio do empresário Ribeiro Braga. Actuam com bastante sucesso no Cinema Roma e no Casino Estoril. Os dois primeiros discos, gravados em 1959, contaram com a colaboração do brasileiro Sivuca e do seu conjunto. “Muxima” e “Kuricutéla” são alguns dos temas. O terceiro disco, foram acompanhados por com Joaquim Luís Gomes e foi gravado no início de 1961.
Regressam a Angola em 1961, pouco antes do eclodir da guerra, e entra para o grupo José Alves Monteiro. Nesta nova formação gravam 5 discos. Os temas de mais sucesso são “Garota” e “Mãe Preta”.
Entre 1961 e 1963 o Ouro Negro foi constituído por 3 elementos, Raul Aires Peres, Milo Vitória Pereira e José Alves Monteiro, mais conhecido por Gin.
Ao longo desses anos foram gravados 5 EP’s, folclore Angolano na sua maioria, imortalizando para sempre versões de Ana N’Gola Dilenué, Kolonial, Cidrálea, Palamiê, Birin Birin… mas também temas como Garota, o célebre Mãe Preta de Piratini e Caco Velho e até a magnífica canção francesa Non, Je Ne Regrette Rien.
Em 1964, novamente como duo, lançam dois discos com o Conjunto Mistério. Fazem versões dos Beatles (“Agora Vou Ser Feliz”) e Charles Aznavour(“La Mamma”). Outro dos discos, “Kwela”, inclui “Meadowlands”, “M’Bude”, “N’Doa” e “Muindo Diaxala”.
Começam a sua internacionalização com a actuação em países como a Suíça, França, Finlândia, Suécia, Dinamarca e Espanha.
O grupo lança a moda do kwela que foi considerado o ritmo do Verão de 1965. Paris rendeu-se à nova moda. É editado um EP com os temas “La Kwela”, “La Kwela de l’Angola”, “Heno vakwe” e “N’doa”. Actuam no Olympia e no Alhambra.
No ano seguinte actuaram no Mónaco, por ocasião das comemorações do IV Centenário do principado. Recebem também o Prémio da Casa da Imprensa.
No final de 1966 é editado o álbum “O Espectáculo é Ouro Negro”.
Em 1967 gravam o seu 2º álbum, “Mulowa África”, com a colaboração do Thilo’s Combo.
Participam no Grande Prémio TV da Canção de 1967 com “Livro Sem Fim” e “Quando Amanhecer”. Participam também, com “Kubatokuê Mulata, no 2º Festival Internacional da Canção do Rio de Janeiro”
Realiza-se no Olympia o espectáculo “Grand Gala du Music-Hall Portugais” com Amália e outros nomes como Simone de Oliveira, o Duo Ouro Negro e Carlos Paredes, entre outros.
Em 1968 deslocam-se ao Canadá. Na RTP é apresentado o musical “A Rua d’Eliza”. Actuam também nos Estados Unidos.
Participam no Festival RTP da Canção de 1969 com “Tenho Amor Para Amar” que fica novamente em 2º lugar. Ainda em 1969 actuam na Argentina e lançam o LP “Latino”, lançado em Portugal com título “Sob o Signo de Yemanjá”, na América Latina. “Moamba, Banana e Cola”, com a orquestra de Jorge Leone, é um dos grandes sucessos de 1969.
Sivuca volta a gravar com grupo, o LP “Africaníssimo, onde juntaram os temas gravados no início da carreira.
O álbum “Blackground”, com a colaboração do grupo Objectivo e de Fernando Girão, é editado em 1971. Em Agosto desse ano participam no Festival de Vilar de Mouros, juntamente com Amália Rodrigues. Grande digressão pelo Oriente.
Participam no Festival RTP da Canção de 1974 com “Bailia dos Trovadores”.
Em 1975 é lançado o o single “Poema Para Allende” e o álbum “Epopeia/Lamento do Rei”. É o último trabalho da década de 70 para a Valentim de Carvalho. No ano seguinte é ainda lançado um disco ao vivo.
O álbum “Lindeza!” é editado em 1979 para a Orfeu.

Voltam a gravar para a 
Orfeu em 81 o 2º Blackground, com novos músicos, de onde resulta um espectáculo memorável em cena no Teatro da Trindade com o Título “Império de Iemanjá”. Em 1982 é editado um single com os temas “Estou Pensando em Ti” e “Rapsódia Angolana”. O álbum “Aos Nossos Amigos” é editado em fins de 1984.
O grupo termina em 1985 com a morte de Milo ocorrida em 20.02.1985.
Raul Indipwo passa a actuar a solo com o nome de Raul Ouro Negro e edita o álbum “Sô Santo”, dedicado ao seu amigo Milo. Posteriormente dedicou-se mais à pintura, tendo ainda gravado um disco em 1991, dedicado às crianças de África. Em 2000 criou a Fundação Ouro Negro, dedicada à cultura e solidariedade, com sede em Portugal e Angola.
Em 1998, a EMI lançou o duplo CD “Kurikutela – 40 Anos, 40 Êxitos”.

O cantor comemorou os 50 anos de carreira no dia 23 de Maio de 2005, acompanhado de Bonga, Marisa, Luís Represas e Pedro Jóia.
A Iplay lançou em 2010 uma compilação com 4 CDs, edição de coleccionador – O Essencial, com textos de Firmino Pascoal e João Bonifácio.
Raul faleceu no dia 4 de Junho de 2006.
Fonte: In Wikipedia

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.