InicioAngolaPortugal: Angolanos compram a Tobis

Portugal: Angolanos compram a Tobis

A Tobis foi vendida à Filmdrehtsich Unipessoal Lda, “detida a 100% por uma empresa de capitais angolanos”, confirmou ao PÚBLICO José Pedro Ribeiro, director do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA). O património fílmico e imobiliário permanece nas mãos do Estado, garantiu o responsável.

Depois de meses de dúvida, a situação da Tobis parece finalmente ter sido resolvida. Os históricos estúdios do cinema português, fundados em 1932, foram comprados pela Filmdrehtsich Unipessoal, por um valor ainda não revelado. A notícia foi confirmada pelo ICA, apenas um dia antes da assembleia-geral de accionistas marcada para esta sexta-feira, na qual se esperava por uma resolução final.

“Até à presente data, apesar de algumas manifestações de interesse por parte de outros potenciais compradores, esta foi a melhor proposta apresentada uma vez que acautela devidamente os interesses que o Estado pretende proteger, ou seja, a salvaguarda do património cinematográfico e dos direitos dos trabalhadores bem como a manutenção da atividade da empresa nas áreas do digital e do restauro”, disse ao PÚBLICO José Pedro Ribeiro, explicando que a empresa Filmdrehtsich prestará serviços nas áreas digital e restauro.

Já o secretário de Estado da Cultura disse esta tarde aos jornalistas que a empresa que adquiriu a Tobis é uma companhia “estrangeira de capitais sobretudo angolanos”, com a qual o Estado nunca teve contacto directo. Para Francisco José Viegas, este é assim o “fim de um processo negocial muito complicado” e uma chegada a um “bom porto (…) que assegura a continuidade da Tobis, de grande parte dos postos de trabalho”, e que permite ao Estado manter o arquivo da empresa, assim como o edifício.

Em relação à Filmdrehtsich, Viegas explicou que as negociações nunca ocorreram directamente com a companhia, mas sim com os bancos e com os advogados que a representavam, sendo esta “uma empresa estrangeira de capitais sobretudo angolanos”, concluindo: “Portanto, basicamente é o que nós sabemos da empresa”.

Ao PÚBLICO, Tiago Silva, delegado sindical da Tobis, disse, via email, que o Sindicato Nacional dos Trabalhadores das Telecomunicações e do Audiovisual (SINTTAV) foi informado do negócio ao início da tarde através do secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas.

“Aparentemente está prevista a saída de metade do pessoal da empresa e as negociações laborais estarão integralmente a cargo do ICA”, acrescentou Tiago Silva, explicando que estava agendada para esta tarde, às 16h30, uma reunião entre o SINTTAV e o os responsáveis do Instituto do Cinema e do Audiovisual, para se saberem mais pormenores.

Na última Assembleia-Geral, a 6 de Janeiro, foi comunicado aos trabalhadores que a dissolução da empresa, uma possibilidade levantada em Dezembro, não iria acontecer, uma vez que estava a ser negociada a venda da Tobis. Nessa altura, José Pedro Ribeiro garantiu mesmo que o negócio estaria “muito avançado”.

Para amanhã continua agendada a Assembleia-Geral, onde se deverão conhecer mais pormenores do negócio.

Os problemas financeiros da Tobis arrastam-se há anos, com resultados negativos, salários em atraso e sucessivos requerimentos em sede parlamentar, mas só em Julho de 2010 foram tornados públicos quando o ICA, entidade através da qual o Estado detém 96,48% do capital da empresa, fez saber na Assembleia da República que pretendia alienar a sua participação.

Desde aí, os rumores, promessas da tutela e assembleias-gerais de accionistas mais ou menos inconsequentes não têm parado. Nos últimos meses, os 53 trabalhadores da empresa têm-se queixado de constantes salários e subsídios em atraso, embora o director do ICA garanta que actualmente não existem salários em atraso.

Fonte: Publico

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.