- Publicidade-
InicioAngolaEm campanha, Putin promete reforçar Exército russo

Em campanha, Putin promete reforçar Exército russo

Vladimir Putin afirmou segunda-feira que a Rússia precisava reforçar seu Exército para se proteger contra as tentativas estrangeiras de reacender novos conflitos em suas fronteiras. O primeiro-ministro russo, candidato nas eleições presidenciais do dia 4 de março, explica em um artigo publicado no jornal oficial Rossiskaia Gazetta, que vai gastar 23.000 bilhões de rublos para modernizar a defesa do país durante a próxima década.

“Novos conflitos regionais e locais estão a ser reacesos diante de nossos olhos”, escreveu. “Existem tentativas de provocar tais conflitos perto das fronteiras da Rússia e de nossos aliados”, disse ele, sem precisar a quais ameaças fazia referência. Ele afirmou que quer que as Forças armadas russas sejam mais profissionais e  polivalentes.

Desde o desaparecimento da União Soviética em 1991, o Exército do país passou pour uma década de cortes orçamentários antes que Putin mudasse esta tendência durante os seus dois mandatos presidenciais de 2000 a 2008.

O ex-oficial do KGB, que poderia voltar a ser eleito por seis anos, sapresenta-se como garantia de estabilidade e de solidez do governo.

Manifestações vêm acontecendo no país desde as eleições legislativas em dezembro contra Putin, que acusa as potências estrangeiras de ajudar a oposição a organizar manifestações contra seu governo.

Ele estima que a Rússia, que vetou a resolução do Conselho de Segurança da ONU sobre a Síria no começo do mês, deve poder contar com um Exército forte para que sua posição seja respeitada por outros países.“Nestas condições, a Rússia não pode depender unicamente de meios diplomáticos e econômicos para resolver um conflito”, afirmou o dirigente.

O presidente russo, Dmitri Medvedev, reencontrou nesta segunda-feira, líderes da oposição para tratar das reformas do sistema político depois das manifestações contra Vladimir Putin.

O ex-vice primeiro-ministro Boris Nemtsov e o dirigente do movimento de extrema esquerda, Serguei Oudaltsov, participaram do encontro que aconteceu na residência oficial de Gorki, na periferia de Moscou. Oudaltsov afirmou que pediria ao presidente que as eleições fossem adiadas por pelo menos dois anos, até que a reforma política seja concluída.

Já Nemtsov explicou à Rádio Echo de Moscou, que pediria ao chefe de Estado a libertação de 37 prisioneiros políticos e pediria uma modificação da Constituição impedindo a candidatura à três mandatos no Kremlin. Este será o caso de Putin se for eleito no dia 4 de março.

Fonte: RFI

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.