InicioCulturaO funeral que se transformou na celebração do “doce milagre” de Whitney...

O funeral que se transformou na celebração do “doce milagre” de Whitney

Whitney Houston “voltou para a casa hoje”. Kevin Costner subiu ao púlpito da igreja baptista New Hope, neste sábado, para exortar família e amigos da cantora a “secar as lágrimas” e a “recordar o doce milagre de Whitney”. E foi o que aconteceu no funeral da artista mais premiada de sempre: celebrou-se a vida e cantou-se muito. Cantou-se durante cinco horas.


A igreja baptista New Hope, com capacidade para 1500 pessoas, encheu-se para a despedida a Whitney. Muitas estrelas do mundo do espectáculo marcaram presença, entre as quais Stevie Wonder e Alicia Keys, que cantaram durante a cerimónia. Stevie disse que ainda lhe era difícil acreditar no que tinha acontecido e cantou Ribbon in the Sky, uma das canções preferidas de Whitney, e Love’s in Need of Love Today.

“Ela era um anjo entre nós, tão bonito quanto um anjo pode ser”, afirmou por sua vez Alicia Keys, que trabalhou com Whitney Houston em 2009, para o álbum I Look to You. Depois, cantou Prelude to a kiss. A música foi uma constante ao longo de toda a cerimónia. Keys e Stevie não foram os únicos. No bairro onde Whitney cresceu e começo a cantar em público – ali, naquela mesma igreja – muitos foram os que disseram adeus a cantar, como Kim Burrell e Donnie McClurkin.

Aretha Franklin também foi convidada para o fazer, mas nem sequer esteve presente, por problemas de saúde. A rainha da soul era madrinha de Whitney, cuja mãe, Cissy Houston, era uma das cantoras que acompanhavam Aretha.
Cissy Houston leu na cerimónia uma carta de despedida, na qual agradecia a Deus pela “bela flor” que lhe deu, Whitney. “Nunca te contei que, quando nasceste, o Espírito Santo me disse que não estarias comigo por muito tempo”, leu, segundo a Associated Press. “E agradeço a Deus pela bela flor que me permitiu criar e cuidar durante 48 anos”, continuou. “Descansa, minha menina, em paz.”

Numa cerimónia fúnebre “com mais estrelas do que os Grammys”, Kevin Costner, que contracenou com Whitney em O Guarda-costas (o filme que tem I will always love you como tema principal), pediu a todos para “secar as lágrimas, suspender a tristeza – e talvez a raiva – apenas tempo suficiente para lembrar o doce milagre de Whitney”, que “voltou para casa hoje, para o lugar onde tudo começou”.

No final da liturgia, dirigida pelo pastor e cantor de gospel Marvin L. Winans – o mesmo que celebrou, em 1992, o atribulado casamento de Whitney e Bobby Brown, que esteve presente, assim como a filha de ambos, Bobbi Kristina –, o corpo da cantora foi levado a enterrar para o cemitério Fair View, em Nova Jérsia, onde está sepultado o pai da cantora, que morreu em 2003.

À porta, milhares de fãs esperavam pelo cortejo fúnebre para aplaudir uma última vez a cantora. Acompanharam a cerimónia, aberta apenas a familiares e amigos, por dois ecrãs gigantes montados do lado de fora da igreja. À volta, deixaram flores e todo o tipo de lembranças da cantora. Quem não esteve em Newark, também pode acompanhar o funeral online, uma vez que a AP disponibilizou um streaming gratuito da cerimónia, depois de a família aceder a esse pedido dos admiradores da cantora em todo o mundo. Na igreja, o funeral durou das 12h locais (17h em Lisboa) até perto das 17h.

Whitney Houston morreu no passado sábado, na véspera da festa de comemoração dos Grammys, em Los Angeles, na qual iria participar. A cantora, de 48 anos, foi encontrada inconsciente no seu quarto no Beverly Hilton Hotel, em Beverly Hills, submersa na banheira. A autópsia ao corpo de Whitney já foi feita,  mas a causa da morte ainda está por apurar.

“A Voz”, como chegou a ser apelidada, foi uma das principais figuras da música pop durante os anos 1980 e 1990. Os sete discos gravados por Whitney – o primeiro dos quais editado em 1985 – e as três bandas sonoras lançadas ao longo da sua carreira venderam, ao todo, mais de 200 milhões de cópias. Os 415 prémios de música que arrecadou até 2010 fizeram dela, segundo o livro dos recordes do Guiness, a artista mais premiada de sempre. Ganhou seis Grammys, 30 Billboard Awards, 22 American Music Awards e dois Emmys.

Fonte: Publico

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.