- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola Sociedade Sida: Dependência financeira das mulheres é factor de risco

Sida: Dependência financeira das mulheres é factor de risco

Um novo estudo chegou à conclusão que uma maior independência financeira das mulheres nos países em desenvolvimento é sinónimo de  menor incidência de Sida e de outras doenças venéreas.

A pobreza, o analfabetismo e a desigualdade entre os géneros masculino e feminino são factores que tornam as mulheres mais vulneráveis às doenças transmitidas sexualmente.

Os problemas começam quando as raparigas recorrem a homens mais velhos procurando ajuda financeira para elas próprias ou para as suas famílias. Esses homens muitas vezes estão infectados com o vírus do Sida ou padecem de outras doenças venéreas.

Estas são as conclusões de um estudo levado a cabo no distrito de Zomba no Malawi e envolvendo um grupo de mulheres com idades compreendidas entre os 13 e os 22 anos.

No início do estudo todas as mulheres eram solteiras. Berk Ozler, um economista do Banco Mundial participou no estudo e salientou o seguinte: “Sabiamos que o Malawi era um país pobre com um grave problema de Sida particularmente entre jovens mulheres no sul do país. Começamos portanto aí tentando determinar se a oferta de pequenas quantias de dinheiro podiam reduzir o risco de infecção.”

Ozler afirmou por outro lado que a educação pode considerar-se uma “vacina social” contra o Sida e contra outras doenças. Contudo, salientou, muitas das raparigas tinham desistido da escola: “ Muitas vezes as raparigas desistem da escola demasiadamente cedo aos 14 ou 15 anos. Pouco depois chegam à puberdade e casam-se. Quanto mais cedo casam maior é a diferença de idade dos seus maridos ou dos seus parceiros sexuais. Trata-se de sexo não protegido com homens mais velhos com um significativo potencial de serem seropositivos.”

Aquele especialista afirma que se as raparigas tivessem relações sexuais com homens da sua idade o risco de contrair Sida seria muito menor.

Ozler acrescenta que a taxa de seropositividade entre os rapazes adolescentes no Malawi é praticamente nula.
O estudo ofereceu ás raparigas pagamentos mensais em dinheiro, cerca de 10 dolares. A algumas foi dado o dinheiro sem condições , outras receberam os fundos com a condição de irem regularmente à escola.

Segundo salientou Ozler, verificou-se uma mudança de comportamento entre aquelas que receberam o dinheiro: “As raparigas sexualmente activas continuaram activas, mas, escolheram, parceiros diferentes. Elas privilegiaram rapazes da sua idade que têm muito menos hipótese de estarem infectados pelo Sida.”.

O estudo demonstrou também que aquelas raparigas tinham em geral uma baixa taxa de seropositividade e que tinham igualmente índices muito baixos de outras doenças venéreas.

Ozler afirmou que é no entanto necessária mais pesquiza para determinar se programas do género poderiam ter sucesso noutros países em desenvolvimento.

Fonte: VOA

- Publicidade -
- Publicidade -

Afrobarómetro: Angolanos reprovam desempenho económico do executivo de João Lourenço

A mais recente pesquisa de opinião do Afrobarómetro, organização continental independente de pesquisas e sondagens, sobre Angola revela que a grande maioria dos angolanos,...
- Publicidade -

Direcção da FAF ‘esconde’ prémios de 348 milhões Kz de que beneficiou

Se de um lado foi observado que em dois anos os dezassete membros que fazem parte do topo da hierarquia da FAF levaram para...

[Análise] Como estão os líderes empresariais africanos a lidar com a crise do coronavírus?

Pessimismo no futuro imediato, mas confiança no futuro do continente a longo prazo: esta é a conclusão da segunda edição do barómetro sobre o...

China garante que OMS deu aval ao uso de vacinas que ainda estão em estudo

As autoridades chinesas dizem que a Organização Mundial da Saúde deu apoio e aceitou a administração de vacinas experimentais que estão a ser desenvolvidas...

Notícias relacionadas

Afrobarómetro: Angolanos reprovam desempenho económico do executivo de João Lourenço

A mais recente pesquisa de opinião do Afrobarómetro, organização continental independente de pesquisas e sondagens, sobre Angola revela que a grande maioria dos angolanos,...

Direcção da FAF ‘esconde’ prémios de 348 milhões Kz de que beneficiou

Se de um lado foi observado que em dois anos os dezassete membros que fazem parte do topo da hierarquia da FAF levaram para...

[Análise] Como estão os líderes empresariais africanos a lidar com a crise do coronavírus?

Pessimismo no futuro imediato, mas confiança no futuro do continente a longo prazo: esta é a conclusão da segunda edição do barómetro sobre o...

China garante que OMS deu aval ao uso de vacinas que ainda estão em estudo

As autoridades chinesas dizem que a Organização Mundial da Saúde deu apoio e aceitou a administração de vacinas experimentais que estão a ser desenvolvidas...

Covid-19: Grupo de 34 reclusos infetados foge de prisão no Brasil

Um grupo de 34 presos, infetados com covid-19, fugiu esta terça-feira através de um túnel de uma prisão no Brasil, com graves problemas de...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.