- Publicidade-
InicioAngolaPolíticaHeróis do 4 de Fevereiro recordados em todo país

Heróis do 4 de Fevereiro recordados em todo país

Os principais protagonistas do ataque à Casa de Reclusão e à Cadeia de São Paulo, em Luanda, acção desencadeada a 4 de Fevereiro de 1961e que marcou o início da luta armada de libertação nacional, foram homenageados ontem na capital.
A cerimónia, realizada no Cemitério do Alto das Cruzes, consistiu na deposição de coroas de flores nos túmulos de Paiva Domingos da Silva, Imperial Santana e Cónego Manuel das Neves.
Em declarações à imprensa, a rainha do 4 de Fevereiro, Engrácia Francisco, disse que a data serve para reflexão da epopeia e, sobretudo, recordar os seus sobreviventes pelo sacrifício consentido, que catapultou Angola para a independência.
Engrácia Francisco defendeu que é preciso contar a história da luta de libertação aos jovens. Esse ponto de vista foi corroborado pelo seu companheiro de luta, Bernardo Armando da Silva, para quem é preciso organizar palestras dedicadas à luta contra o colonialismo português e outras formas culturais para a educação da juventude, reprovando o consumo excessivo de álcool pelos jovens.
O também coordenador do “Comité 4 de Fevereiro” e coronel na reserva disse que está feliz por ter dado o seu contributo para a libertação de Angola e orgulhoso por ver o país a desenvolver-se, no sentido de garantir o bem-estar de todos os angolanos.
Participaram na homenagem o vice-governador de Luanda para a esfera económica e produtiva, Miguel Catraio, o comandante-geral da Polícia Nacional, Ambrósio de Lemos e o seu adjunto, Paulo de Almeida, para além de políticos e figuras da sociedade civil.
Os principais protagonistas do ataque à Casa de Reclusão e à Cadeia de São Paulo, em Luanda, acção desencadeada a 4 de Fevereiro de 1961e que marcou o início da luta armada de libertação nacional, foram homenageados ontem na capital.

A cerimónia, realizada no Cemitério do Alto das Cruzes, consistiu na deposição de coroas de flores nos túmulos de Paiva Domingos da Silva, Imperial Santana e Cónego Manuel das Neves. Em declarações à imprensa, a rainha do 4 de Fevereiro, Engrácia Francisco, disse que a data serve para reflexão da epopeia e, sobretudo, recordar os seus sobreviventes pelo sacrifício consentido, que catapultou Angola para a independência.
Engrácia Francisco defendeu que é preciso contar a história da luta de libertação aos jovens. Esse ponto de vista foi corroborado pelo seu companheiro de luta, Bernardo Armando da Silva, para quem é preciso organizar palestras dedicadas à luta contra o colonialismo português e outras formas culturais para a educação da juventude, reprovando o consumo excessivo de álcool pelos jovens.
O também coordenador do “Comité 4 de Fevereiro” e coronel na reserva disse que está feliz por ter dado o seu contributo para a libertação de Angola e orgulhoso por ver o país a desenvolver-se, no sentido de garantir o bem-estar de todos os angolanos.
Participaram na homenagem o vice-governador de Luanda para a esfera económica e produtiva, Miguel Catraio, o comandante-geral da Polícia Nacional, Ambrósio de Lemos e o seu adjunto, Paulo de Almeida, para além de políticos e figuras da sociedade civil.

Historiador do Zaire

O historiador angolano Pedro Gabriel apelou ontem, na cidade de Mbanza Congo (Zaire), à população para pautar a sua vida no espírito de unidade e de harmonia pacífica, para a conservação do clima de paz e democracia no país.
Pedro Gabriel, que falava à margem de uma palestra sobre “A importância das festividades do 4 de Fevereiro na História de Angola”, disse que os angolanos devem ter comportamentos positivos e fortalecer a coesão nacional.
O também professor de História pediu aos habitantes da região para actualizarem o seu registo eleitoral e cumprirem com os seus deveres de cidadania. Participaram na palestra, o governador provincial, Pedro Sebastião, e vários membros do Governo Provincial.

Corrida pedestre

A prova pedestre “Fuga para a resistência”realiza-se hoje na província do Bengo, num percurso de 21 quilómetros para atletas federados e 10 para femininos e outras categorias, em homenagem aos heróis do 4 de Fevereiro. A organização tem já 192 inscrições, entre atletas federados, populares, deficientes e veterano e é organizada  pelo governo do Bengo e a Federação de Atletismo.

Fonte: Jornal de Angola

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

1 COMENTÁRIO

  1. Em homenagem à luta de libertação só puseram coroas de flores em três campas uma das quais a do cónego Manuel das Neves. Mais uma vez se esqueceram de pelo menos pôr uma florzinha pequenina que fosse, na tua campa, do Liceu Vieira Dias, do Gabriel Leitão e de outros tantos que como tu iniciaram essa grande façanha que foi o caminho para Angola ser independente. Tenho ou não razão em dizer que só se lembram daqueles que pegaram em armas

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.