Radio Calema
InicioEconomiaEntrada de capital da China na EDP é um sinal de confiança...

Entrada de capital da China na EDP é um sinal de confiança na economia

A entrada da China Three Gorges Corporation (CTG) na portuguesa EDP, um investimento de 8,7 mil milhões de euros, é vista como importante injecção de capital e confiança na economia, numa altura em que Portugal atravessa uma crise prolongada.
Após o anúncio da vitória chinesa, que representa o maior investimento chinês de sempre em Portugal e torna a CTG no principal accionista de uma das maiores empresas portuguesas, a bolsa de valores reagiu em alta, nomeadamente os títulos dos bancos, enquanto o negócio era saudado em editoriais dos jornais de referência.
Para o “Jornal de Negócios”, “foi um ‘jackpot’ para a EDP e para o Estado” pois a operação “traz aquilo de que ambos mais carecem: capital”.
“E o dinheiro chinês que agora entra na empresa é o mesmo dinheiro que a União Europeia e o FMI foram mendigar há semanas para alavancar o Fundo de Estabilização da Zona Euro. Foi um vexame: a senhora Lagarde e o senhor Regling levaram tampa”, enquanto “Portugal fechou negócio”, refere o editorial. O “Diário Económico” optou por titular em caracteres chineses o seu editorial, onde  que o primeiro-ministro Passos Coelho “ganhou credibilidade e independência”. Quanto ao facto de o capital ser chinês, este “está no mundo, nos EUA, no Brasil, em todos os mercados desenvolvidos”, adianta.
Também para o “Público” o Governo “fez bem, porque a EDP tem com a proposta chinesa o seu horizonte estratégico garantido e porque, com tanto cinismo e despeito vindos da Europa, é importante que Portugal consiga abrir novas portas nas suas relações económicas”.
Para o “Diário de Notícias” é agora claro que as privatizações dos próximos tempos não vão ficar em mãos portuguesas e o negócio da CTG mostra que “os reflexos da ascensão económica e financeira da Ásia, à escala global, chegaram às praias lusitanas”.
Para a imprensa portuguesa, foi sobretudo a envergadura da oferta da CTG para adquirir os 21,35 por cento da EDP que permitiu bater os brasileiros da Eletrobrás e os alemães da E.On.

A venda da participação dá ao Estado português um encaixe de 2,7 mil milhões de euros, mas a operação envolve mais investimento e financiamento num montante que ascende a 8,7 mil milhões de euros no seu todo.
O plano da CTG prevê que passe a investir em conjunto com a EDP em novos projectos no mercado brasileiro, mas sem afectar a composição accionista da EDP Brasil.
A secretária de Estado do Tesouro e Finanças de Portugal, Maria Luís Albuquerque, esclareceu, após a conferência de imprensa do Conselho de Ministros, que “a EDP fica intocada no Brasil”, porque a China Three Gorges apenas entra em alguns projectos.
A EDP esclareceu que o negócio vai permitir reforçar a sua liquidez, que actualmente se situa em quatro mil milhões de euros, para um valor ajustado de oito mil milhões de euros, o que permite “melhorar o perfil de crédito” e reduzir o actual nível de endividamento.



Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: AFP

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.