Quarta-feira, Fevereiro 1, 2023
8.4 C
Lisboa

Muito ainda por acertar nos Palancas

Está terminada a fase preparatória dos Palancas, que decorreu em Cabinda, tendo a equipa de todos nós disputado três jogos, nomeadamente, com os Camarões, Zâmbia e a Namíbia. Agora o momento é de férias de Natal com as famílias.

Os prognósticos iniciais apontaram Camarões e Namibia como os adversários de maior peso para o conjunto nacional, que diga-se, teve dificuldade em impor o seu jogo, sobretudo contra os Chipolopolo, conjunto que ofereceu um bom espectáculo apesar de ter perdido por uma bola a zero.

A Selecção Nacional é composta ainda por jogadores do Girabola, excepto o guarda-redes Carlos (sem clube), que já manifestou o desejo de jogar em Angola no próximo ano num dos grandes do Girabola.

Os girabolistas, cada um à sua maneira, tentaram mostrar serviço de modo a agradar o técnico, que utilizou todos os jogadores na partida contra a Zâmbia, um jogo que terá aborrecido Lito Vidigal pelo futebol medíocre apresentado pelos jogadores.

“Neste momento, os resultados não importam, o que importante é que os jogadores saibam interpretar aquilo que nós queremos dentro do campo.

O grupo demonstrou algumas dificuldades de movimentação dentro do campo”, disse Lito Vidigal, acrescentando que falta alguma experiência competitiva aos girabolistas, apesar da sua boa entrega aos jogos.

Já o capitão Cali, afirmou que “a equipa ainda não está na pefeição como muitos desejam, deve melhorar em todos os aspectos. É dificil nesta altura estar a cem por cento, por isso devemos continuar com a mesma força, com a mesma vontade, mesma dedicação e meter em prática as orientações do mister”.

Contra a Zâmbia, muitos são os adeptos que não gostaram do futebol apresentado pelos Palancas, que durante os 90 minutos erraram inúmeros passes, ao contrário dos Chipolopolo que praticaram um futebol vistoso.

Lembrar que, no duelo com os zambianos, Lito Vidigal utilizou todos os 30 jogadores convocados nesta fase do estágio. O atleta mais contestado pelos adeptos lundas foi Osório, a recente contratação do 1º de Agosto.

O equipamento

A poucos dias do arranque do CAN, pouco ou nada se sabe sobre equipamento que vai vestir os Palancas na maior prova de futebol em África, o que tem suscitado muitos debates no seio da classe desportiva angolana.

Depois da Puma, Lacatoni a Selecção Nacional apostou na Luanvi, uma marca desconhecida no mundo desportivo.

No CAN’2012, Angola está integrado no grupo B com as selecções do Buekina Faso, Sudão e Côte d’Ivoire.

Hervé Renard reencontra antigos pupilos

A estadia da equipa zambiana na cidade do Dundo, Lunda-Norte, foi marcado por um reencontro entre Hervé Renard e seus antigos pupilos. O francês pareceu uma pessoa descontraída, tranquila, sem mágoas, depois da curta passagem pelos Palancas, na sequência de alguns desentendimentos com a antiga direcção da FAF, liderada por Justino Fernandes. Alojado no mesmo hotel que os Palancas, Hervé, com o sorriso sempre patente no rosto, apresentou-se bem disposto, sempre perto de alguns jogadores e dirigentes da FAF, mantendo algumas conversas, sobretudo com Cali, com quem manteve um longo diálogo.

Regresso turbulento
Nos dias de hoje é possível imaginar que um passageiro de um voo (com ou sem bilhete de passagem) não saiba como regressar à sua cidade? A resposta a esta pergunta diz praticamente tudo sobre a cidade do Dundo, Lunda-Norte.

Esta semana, um dia depois de os profissionais da imprensa terem reportado o jogo dos Palancas com os Chipolopolo, naquela província, enfrentaram dificuldades para regressar a Luanda na mesma aeronave militar que os levou às terras do diamante.

A confusão instalou-se no momento em que número de passageiros suplantou o estimado.

Sabe-se que o avião levaria apenas os materiais da TPA e os seus profissionais e ainda alguns agentes da FAF, inclusive o seu presidente, Pedro Neto Pedro Neto. O nosso jornal constatou que tudo foi feito antecipadamente para que a imprensa e os funcionários da FAF viajassem sem constrangimentos, mas minutos antes da descolagem do avião sucedeu o contrário.

O manifesto onde constavam os nomes dos profissionais foi ignorado em detrimento de uma outra lista de passageiros “fantasmas”, supostamente criada por agentes do SME, pilotos (russos) ou certos indivíduos em troca de favores financeiros.

Resultado: avião superlotado. O homem forte da FAF, Pedro Neto teve que passar por essa “bagunça”, que segundo os nossos interlocutores não constitui novidade na Lunda-Norte, devido à fraca afluência de voos.

 

Fonte: O País

Foto: O País

POSTAR COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

- Publicidade -spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Quem são os favoritos para vencer eleição de presidente do Senado?

A eleição que definirá quem irá presidir o Senado até janeiro de 2025 acontece na próxima quarta-feira (1º) e,...

Artigos Relacionados

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
  • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
  • Radio Calema
  • Radio Calema