Terça-feira, Fevereiro 7, 2023
8.4 C
Lisboa

Ditador norte-coreano Kim Jong-il morre aos 69 anos

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-il, morreu neste sábado vítima de uma crise cardíaca. A informação foi divulgada hoje pela televisão estatal norte-coreana. O filho mais jovem do ditador, Kim Jung-un, assumirá o comando do país. Coreia do Sul, Japão e Estados Unidos, principais inimigos da Coreia do Norte, já anunciaram que estão vigiando “de perto” a situação.

Kim Jong-iI dirigia a República popular democrática da Coreia, única dinastia comunista da história, desde a morte de seu pai em 1994. Segundo informações divulgadas pela Agência central da imprensa coreana, ele “sucumbiu a um grande esgotamento mental e físico”.

Promovido nos últimos anos às mais altas funções militares e políticas, o futuro líder norte-coreano, Kim Jong-un, vai liderar um dos Estados mais pobres do mundo. A Coreia do Norte possui armas nucleares, mas tem carência de infra-estruturas e energia, além de estar isolado no plano diplomático. Crises alimentares fazem periodicamente milhares de mortos e o governo reprime duramente toda oposição.

O funeral de Kim Jong-il será realizado no dia 28 de dezembro. As autoridade de Pyongyang decretaram luto oficial de 17 a 29 de dezembro.

Reações

Um porta-voz da Casa Branca declarou que o governo norte-americano está em contato com seus aliados na Coreia do Sul e no Japão para monitorar a situação na Coreia do Norte.

Em Seul, o governo sul-coreano anunciou uma reunião de emergência de seu Conselho de Segurança Nacional e colocou o exército em estado de alerta. As duas Coreias continuam tecnicamente em estado de guerra desde o precário armistício assinado após o fim da guerra da Coreia, em 1953.

O Japão também realizou hoje uma reunião de urgência do governo e expressou suas condolências pela morte de Kim Jong-iI. “O governo japonês espera que essa situação não tenha consequências negativas sobre a paz e a estabilidade na península coreana”, declarou o porta-voz Osamu Fujimura.

O Japão ocupou a península coreana na primeira metade do século 20 e mantém relações tensas com seu vizinho norte-coreano desde os anos 50, sentindo-se diretamente ameaçado pelos mísseis e testes nucleares do governo de Pyongyang.

 

 

Fonte: RFI

Foto: REUTERS

POSTAR COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

- Publicidade -spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Angola atenta à “transição energética” para o desenvolvimento

O ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, Diamantino de Azevedo, assegurou, esta segunda-feira, em Cape Town (África do...

Artigos Relacionados

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
  • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
  • Radio Calema
  • Radio Calema