Quarta-feira, Fevereiro 1, 2023
9.5 C
Lisboa

David Cameron defende veto a novo tratado europeu

O primeiro-ministro britânico David Cameron

Em um discurso diante da Câmara dos Comuns, nesta segunda-feira, o primeiro-ministro britânico David Cameron defendeu sua oposição ao novo tratado europeu. No domingo, o vice-primeiro ministro, o liberal Nick Clegg, disse que a Grã- Bretanha corria o risco de “isolar” e de ser “marginalizada” depois do veto de Cameron.

As divergências entre Clegg e Cameron evidenciam as dificuldades da coalizão dos conservadores e democratas no Reino Unido. O primeiro ministro britânico foi o único líder europeu a recusar o acordo entre os membros do bloco, anunciado nesta sexta-feira. O documento propõe mudanças substanciais nos tratados europeus para adequá-los à nova realidade econômica do continente: a crise dos déficits obriga os países a adotarem políticas rígidas de restrições orçamentárias, para não colocar em risco a própria existência da zona do euro.

O primeiro ministro britânico foi aplaudido pelos deputados eurocéticos mais conservadores que acompanharam seu discurso, e declarou que “não tinha porque se desculpar.” Cameron é contra uma maior regulação do mercado financeiro, que colocaria em risco os interesses da City, a Bolsa de Valores de Londres. Segundo ele, o tratado também viabiliza uma concentração de “poderes sem precedentes para a Comissão Europeia.” O premiê britânico voltou a insistir que “tomou a boa decisão”, mas insistiu que a União Europeia continua sendo “vital para os interesses britânicos. ”

O líder da oposição trabalhista, Ed Miliband, pediu que Cameron explicasse porque o tratado representa uma ameaça para o mercado financeiro, mas não obteve uma resposta clara do primeiro-ministro. Ele denunciou o “desastre diplomático” da decisão do primeiro-ministro, que coloca a Grã-Bretanha em uma situação de representatividade relativa na União Europeia. O comissário europeu para as relações econômicas e monetárias, Olli Rehn, também disse “lamentar a decisão do governo britânico.”

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, fez uma crítica direta à decisão britânica em entrevista ao jornal Le Monde. “Agora está claro que existem duas Europas. Uma que defende a solidariedade entre os membros, e à regulação, e outra que defende a lógica do mercado único”, disse. Nesta segunda-feira, Cameron garantiu que continua tendo uma boa relação com Sarkozy, e citou a campanha bem-sucedida na Líbia, conduzida pelos dois países.

Sarkozy está conformado com a perda do triplo A

O presidente francês Nicolas Sarkozy também minimizou as consequências nesta segunda-feira de um eventual rebaixamento da nota da dívida soberana da França, que atualmente é AAA, dizendo que o país tem recursos para superar a situação. As agências de classificação de risco Standard’s and Poor e Fitch ameaçam abaixar a nota francesa. Nesta segunda-feira, a Fitch divulgou um comunicado, estimando que a Cúpula da União Europeia não definiu uma solução perene, capaz de tranquilizar o mercado financeiro. Os principais índices mundiais fechram em baixa nesta segunda-feira.  O novo tratado europeu pode entrar em vigor em 2012.

 

Taíssa Stivanin

Fonte: RFI

Foto: REUTERS/Olivia Harris

 

POSTAR COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

- Publicidade -spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Angola e Bélgica analisam cooperação bilateral

Angola e o Reino da Bélgica analisaram, esta quarta-feira, o estado da cooperação bilateral, num encontro entre os...

Artigos Relacionados

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
  • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
  • Radio Calema
  • Radio Calema